Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 12 > Força Nacional do SUS coordenará equipes para atender vítimas de desastres

Saúde

Força Nacional do SUS coordenará equipes para atender vítimas de desastres

por Portal Brasil publicado: 15/12/2011 18h40 última modificação: 28/07/2014 12h48

O Ministério da Saúde definiu, por meio de portaria publicada nesta quinta-feira (15), os critérios para a atuação da Força Nacional do Sistema Único de Saúde (Força Nacional do SUS), que será composta por profissionais especializados no atendimento a vítimas de desastres naturais, calamidades públicas ou situações de risco epidemiológico (surtos de leptospirose após enchentes, por exemplo) que exijam uma resposta rápida, apoio logístico e equipamentos de saúde.

Coordenada pelo Ministério da Saúde, a Força Nacional do SUS atuará de forma organizada e articulada com o Ministério da Defesa e os estados e municípios. As equipes especializadas vão atuar em casos de urgência e eventos de grande aglomeração, como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

A publicação da portaria foi acompanhada de lançamento de edital para a aquisição de um hospital de campanha, que fará atendimento médico no próprio local da urgência. Orçada em R$ 5,3 milhões, a unidade terá capacidade de atender até duas mil pessoas por dia.

Sua estrutura contará com Sala de Estabilização, UTI (unidade de terapia intensiva), centro cirúrgico, além de enfermaria e sala de comando. O hospital móvel também será utilizado em grandes eventos que serão sediados no Brasil, como a Copa do Mundo e Olimpíadas.

A força faz parte de um conjunto de ações do governo federal para reorganizar os serviços de urgência e emergência no SUS. Ela é um dos componentes da Rede Saúde Toda Hora, lançada em 2011 pelo Ministério da Saúde, e da qual fazem parte o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192), as Unidades de Pronto Atendimento (Upas 24horas), hospitais e atenção básica.

A força vai ajudar o País a enfrentar problemas que necessitam de uma capacidade de resposta organizada e imediata, como no caso de desastres naturais e catástrofes. “Independentemente de quanto o País venha avançando em prevenção, é fundamental termos um grupo de profissionais qualificados para salvar vidas, tanto nas situações de desastres como após o desastre”, explica o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Profissionais

O Ministério da Saúde também dará início neste mês ao cadastramento de profissionais que irão compor as equipes permanentes da Força Nacional do SUS. A intenção é cadastrar até 1.000 profissionais em 2012. Servidores públicos, funcionários de hospitais universitários, além de voluntários que atuem na área da saúde poderão realizar suas inscrições. Os profissionais receberão capacitação contínua do Ministério da Saúde para atenderem em situações adversas.

“Os profissionais serão permanentemente capacitados. Parte desta força será composta por servidores do Ministério, outra parte por profissionais que estão nos hospitais universitários e também profissionais de estados e municípios que já atuam no Samu 192, acostumados a situações extremas”, explicou Padilha.  

Critérios

A portaria publicada na edição desta quinta-feira do Diário Oficial da União também elenca as situações em que o ministério pode declarar Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin). São elas: desastres naturais, situações de risco de reintrodução de uma doença erradicada no país, surtos ou epidemias altamente graves, falta de assistência à população ou casos em que um estado ou município decreta situação de calamidade pública e não consegue ofertar assistência à população.

Durante os atendimentos, as equipes também poderão usar as estruturas e serviços locais (Defesa Civil, órgão de vigilância e assistência e Corpo de Bombeiros). Em caso de situação adversa ou no caso da realização de ações humanitárias em outros países, o grupo também poderá ser convocada pelo Ministério da Saúde para prestar auxílio.

 

Fonte:
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes

Últimas imagens

Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Arquivo/Agência Brasil
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Arquivo/Ministério da Saúde

Governo digital