Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 12 > Primeira etapa da fábrica da Hemobrás é inaugurada em Pernambuco

Saúde

Primeira etapa da fábrica da Hemobrás é inaugurada em Pernambuco

por Portal Brasil publicado: 19/12/2011 19h21 última modificação: 28/07/2014 12h48

O Ministério da Saúde inaugurou nesta segunda-feira (19), no município de Goiana (PE), a primeira etapa da fábrica de medicamentos da Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás). Um total de R$ 27,4 milhões foram investidos no Bloco B-1, onde será feita a recepção, triagem e o armazenamento do plasma brasileiro – matéria-prima para produção de medicamentos derivados do sangue.

Com uma área construída de 2,7 mil metros quadrados, o Bloco B-1 possui 19 metros de altura, equivalente a um prédio de seis andares. A câmara fria, que tem 350 metros quadrados e capacidade para um milhão de bolsas de plasma, será totalmente automatizada e será a primeira das Américas para esta finalidade.

“O Brasil entra numa nova era e mais uma vez o Ministério da Saúde faz parte dessa história. A inauguração da primeira etapa da fábrica brasileira de hemoderivados é uma vitória do SUS, surge após anos de debate sobre a segurança do sangue”, destacou o ministro da pasta, Alexandre Padilha.  “Afirmo que não iremos produzir somente derivados de sangue, pode parecer impossível, mas temos condições de tornar o Brasil autossuficiente em hemoderivados. As obras vão continuar com o intuito de fazer com que a Hemobrás tenha condições de armazenar plasma e produzir todos os hemoderivados que o País precisa”, concluiu.

A operação do equipamento será feita por dois transelevadores, equipamentos que funcionarão com um programa específico para armazenamento, considerado um dos mais modernos do mundo. Todas as etapas da obra de implementação da Hemobrás deverão ser concluídas e entrar em operação até 2014.

Além da câmara fria, o Bloco B-1 dispõe de três salas para recepção do plasma. No Bloco B-1 irão trabalhar, inicialmente, 25 profissionais, entre farmacêuticos e técnicos de laboratório. A primeira etapa da fábrica da Hemobrás também abrange mais dois blocos. O B-17, que abrigará uma subestação com quatro potentes geradores, responsáveis por garantir que energia para a câmara fria, e parte do Bloco B-14, com reservatório capaz de armazenar 450 mil litros de água.

 

Armazenamento do plasma

A previsão é que o plasma coletado nos hemocentros do País comece a ser estocado na câmara fria da Hemobrás a partir do próximo mês de julho. Até lá, será necessário que a área passe por um procedimento técnico de refrigeração para que a temperatura chegue a 35°C negativos (no momento da inauguração, estará a -10°C). Também haverá necessidade de qualificação de maquinário, inspeção da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a autorização do funcionamento da câmara e validação da Hemobrás para os procedimentos industriais que serão realizados no local.

Uma vez em operação, a câmara fria recepcionará o plasma, que será transportado dos hemocentros para a fábrica em caminhões refrigerados. Na medida em que as estoques forem colocados nas esteiras do equipamento, os códigos de barra serão identificados e os transelevadores automaticamente conduzirão o material para o local exato nos porta-pallets (estruturas metálicas semelhantes a estantes), garantindo total segurança ao processo de armazenamento e rastreamento de cada bolsa de plasma durante todo o processo.

 

Produção de hemoderivados

Até 2014, o plasma brasileiro será remetido ao Laboratório Francês de Biotecnologia (LFB), na França, onde são transformados em hemoderivados e retornarão ao Brasil para serem distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O LFB é parceiro da Hemobrás na transferência de tecnologia para a futura produção nacional de hemoderivados.

Em 2014, quando as demais instalações da Hemobrás entrarem em operação e a produção de medicamentos derivados do sangue passar a ser feita internamente, o Brasil será um dos 15 países a possuir uma fábrica para a produção de hemoderivados.

Na Hemobrás, serão fabricados albumina, imunoglobulina, fatores de coagulação VIII e IX, complexo protrombínico e fator de von Willebrand. Medicamentos como esses são essenciais para milhares de portadores de doenças como hemofilia, câncer, aids e imunodeficiências primárias, entre outras.

 

Segunda fase da obra

A segunda etapa da fábrica da Hemobrás está em andamento (começou no último mês de junho), ao valor de R$ 269 milhões e abrangendo 12 blocos. Juntos, eles somam 45 mil metros quadrados e estão situados em um terreno de 25 hectares no Polo Farmacoquímico de Pernambuco.

Atualmente, 450 operários trabalham nestas construções. A expectativa é que esse número chegue a 800 profissionais no primeiro semestre 2012.

 

Fonte:
Ministério da Saúde

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital