Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 01 > AGU assegura cumprimento de norma da Anvisa sobre comercialização de produtos farmacêuticos

Saúde

AGU assegura cumprimento de norma da Anvisa sobre comercialização de produtos farmacêuticos

por Portal Brasil publicado: 17/01/2012 20h44 última modificação: 29/07/2014 09h10

Embora o Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Distrito Federal (Sincofarma) conteste a Resolução nº 44/2009 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que proíbe as farmácias e as drogarias de venderem produtos que não sejam medicamentos e as obrigam a colocar medicamentos isentos de prescrição fora do alcance direto do público, a Advocacia-Geral da União (AGU) demonstrou a legalidade da norma na Justiça.

Os procuradores federais ressaltaram que a resolução tem como objetivo proteger e defender a saúde da população. Eles explicam que a competência da Anvisa para editar este tipo de norma está fundamentada em diversas leis, bem como de acordo com a Constituição Federal, a Lei Orgânica da Saúde e o Código de Defesa do Consumidor.

A AGU destacou ainda que, conforme informações prestadas pela Anvisa, a resolução foi editada após diversos estudos técnicos e ampla discussão de âmbito nacional e internacional por meio de consultas públicas. Ainda segundo a autarquia, a norma decorreu da verificação de que as farmácias e drogarias no País têm cada vez mais se aproximado de estabelecimentos comerciais comuns, e disponibilizando produtos e serviços não ligados à saúde. Para a agência, isso coloca em risco a saúde da população.

Defesa

Os procuradores federais, ao rebaterem os argumentos do sindicato que pediu que a resolução fosse anulada, destacaram que a comercialização de medicamentos com outros produtos diversos da finalidade sanitária prejudica a adequada percepção por parte da população do papel que as farmácias e drogarias devam desempenhar, além de contribuir para a prática da automedicação e do uso indiscriminado de medicamentos, propiciando sérios danos à saúde da população.

A Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região (PRF1) e a Procuradoria Federal junto à autarquia (PF/Anvisa) sustentaram também que, mesmo antes da edição da resolução, as farmácias e drogarias não poderiam utilizar qualquer dependência do estabelecimento para fim diferente do licenciamento, conforme determinam a Lei nº 5.991/73 e o Decreto nº 74.170/74.

A Instrução Normativa n.º 10/09, que restringe a exposição dos medicamentos isentos de prescrição em farmácias e drogarias, também estava sendo questionada pelo sindicato. As procuradorias, no entanto, esclareceram que a autarquia adotou a restrição em atenção ao princípio da precaução, para evitar o uso indiscriminado de medicamentos no País que podem causar intoxicação e reações adversas.

Os procuradores federais destacaram ainda que a garantia constitucional à saúde deve prevalecer sobre o princípio do livre exercício da atividade econômica, de forma que o Estado pode limitar sua atuação em benefício da saúde pública, utilizando-se do seu poder normativo.

Decisão

O juízo da 22ª Vara do Distrito Federal acolheu os argumentos da AGU. Na decisão, foi ressaltada, entre outros pontos, que a Instrução Normativa nº 10/09 visa inibir a automedicação, além de destacar que a saúde pública corre risco quando o consumidor é estimulado à automedicação.

 

Fonte:
AGU

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento

Últimas imagens

Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Foto: Rodrigo Nunes/MS
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Arquivo/Ministério da Saúde
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Olival Santos/Governo de Alagoas
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Divulgação/Prefeitura de Itanhaém (SP)

Governo digital