Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 01 > Saúde libera R$ 7,8 milhões para Campos (RJ)

Saúde

Saúde libera R$ 7,8 milhões para Campos (RJ)

por Portal Brasil publicado: 12/01/2012 17h03 última modificação: 29/07/2014 09h10

O Ministério da Saúde libera nesta quinta-feira (12), R$ 7,8 milhões para o município Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro. Os recursos devem ser utilizados na reestutruração da rede de saúde local e na ampliação do atendimento à população atingida pelas enchentes. Essa é uma parcela de antecipação do valor previsto para financiar a média e alta complexidadeda cidade.

“Esse adiantamento foi agilizado para que o município possa responder rapidamente à situação de emergência provocada pelas fortes chuvas”, explica o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Ele observa que os problemas foram agravados com a danificação da estrutura de saúde, além do atendimento das vítimas das chuvas e do risco de aumento de doenças, sobretudo as transmitidas por água, alimentos e animais.

O repasse permitirá a ampliação da assistência hospitalar e poderá ser utilizado para custear procedimentos como cirurgias e exames e aquisição de medicamentos e insumos. Ainda podem ser utilizados em obras necessárias nas unidades de saúde. Os recursos também estão disponíveis para financiar hospitais de pequeno porte e o Serviço Móvel de Urgência e Emergência (Samu192), entre outros.

A transferência será feita por meio do Fundo Nacional de Saúde, em parcela única, diretamente para o Fundo Municipal de Saúde de Campos de Goytacazes. O município terá prazo de 180 dias para prestar contas.

“Essa iniciativa soma-se ao trabalho que a Força Nacional do SUS [Sistema Único de Saúde] tem desenvolvido desde o ano passado para que vítimas de calamidades sejam atendidas com eficiência e rapidez”, resume o ministro da Saúde. Ele lembra que, desde a semana passada, a Força Nacional do SUS (FNSUS) enviou 15 toneladas de medicamentos para socorrer vítimas das enchentes no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo, além de atuar junto com estados e municípios em ações de prevenção, vigilância e atenção à saúde.

Padilha salienta que equipes coordenadas pela FNSUS estão em campo para avaliar as necessidades, incluindo danos nas unidades de saúde e nos serviços de abastecimento de água. Para municípios com danos no abastecimento de água, a Força Nacional do Sistema Único de Saúde dispõe de frascos de hipoclorito, que serve para purificar a água e torná-la própria para o consumo humano.

 

Fonte:
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital