Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 01 > União Europeia quer tornar mais rígido controle de implantes mamários

Saúde

União Europeia quer tornar mais rígido controle de implantes mamários

por Portal Brasil publicado: 06/01/2012 11h21 última modificação: 29/07/2014 09h10

Com o escândalo envolvendo próteses mamárias da marca francesa PIP, a União Europeia estuda tornar mais rígido o controle de implantes de seios e outros produtos médicos na região. De acordo com o porta-voz da Comissão Europeia, Fréderic Vicent, o órgão já trabalha para rever as regras em vigor desde 2007 e duas propostas devem ser apresentadas ainda neste semestre.

Segundo ele, os países precisam monitorar a rota dos implantes, da produção na fábrica até o implante na paciente.

Na França, foram identificados 20 casos de câncer em mulheres com implantes de seios da marca PIP (Poly Implants Protheses), mas não há confirmação que o produto cause a doença, conforme informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa.

No entanto, o governo aconselha que 30 mil francesas retirem as próteses da marca, como precaução. Investigações indicam que a PIP usou silicone industrial para a produção dos implantes, ao invés de silicone medicinal. A taxa de ruptura de próteses da marca é muito superior em comparação à de outras marcas.

Antes da falência em março de 2010, a PIP produzia 100 mil próteses por ano, sendo que 84% delas eram exportadas para a América Latina, Espanha e o Reino Unido. Estima-se que 300 mil mulheres tenham colocado próteses da marca em todo o mundo.

No Brasil, foram vendidas 24.534 próteses da PIP. Estima-se que 12 mil mulheres usem o produto. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica descartam a necessidade de remoção preventiva ou troca das próteses. O procedimento é indicado somente em caso de ruptura do implante. A orientação é que as mulheres procurem médicos e hospitais onde operaram para avaliar as condições da prótese.

A Anvisa já rastreou todos os municípios onde foram feitas as cirurgias plásticas com próteses mamárias da PIP. De acordo com o diretor adjunto da agência reguladora, Luiz Roberto Klassmann, as vigilâncias sanitárias estaduais e municipais serão acionadas para orientar os hospitais e clínicas a entrar em contato com as pacientes.

A imprensa francesa noticiou na quinta-feira (5) que a PIP também produziu próteses para homens (peitoral, glúteos e testículos). O diretor Klassmann afirmou que a EMI, que importava o produto da marca francesa, tinha autorização somente para vender próteses mamárias femininas no Brasil.

Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa

 

Fonte:
Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital