Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 02 > Comitê do Mercosul acompanhará vacinação contra aftosa no Paraguai

Saúde

Comitê do Mercosul acompanhará vacinação contra aftosa no Paraguai

por Portal Brasil publicado: 13/02/2012 13h22 última modificação: 29/07/2014 09h08

O Paraguai garantiu que atenderá plenamente as medidas apontadas pela missão técnica do Comitê Veterinário Permanente do Mercosul (CVP), que visitou o país recentemente, para controle da vacinação contra a febre aftosa. A resolução foi definida durante a 1ª Reunião Ordinária do CVP, realizada na última quarta (8) e quinta-feira (9), em Assunção, no Paraguai.

Na reunião, foi discutido um plano de trabalho com as autoridades paraguaias para que sejam tomadas medidas para restabelecer o status sanitário perdido e, principalmente, para fortalecer as ações executadas pelo Serviço Nacional de Qualidade e Saúde Animal (Senacsa, sigla em espanhol) para que novos focos da doença não voltem a ocorrer.

O grupo estabeleceu prazos, responsabilidades e atividades a serem desenvolvidas ao longo de 2012 e 2013. A principal delas será o reforço na vacinação contra aftosa no Paraguai, que iniciou no dia 1º de fevereiro e se estenderá até o dia 2 de março. O trabalho será acompanhado por dois profissionais dos países integrantes do CVP, que se revezarão no serviço até a conclusão da operação.

Entre as outras sugestões do documento, estão o monitoramento e a realização de inspeção clínica no departamento de São Pedro – onde foram identificados os dois casos recentes da doença – para evitar a disseminação da enfermidade. O comitê também destacou a importância do papel dos laboratórios, que deverão fazer um estudo do tipo, origem e possível vínculo do agente com os casos anteriores. O Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (Panaftosa) apoiará as ações.

O Brasil foi representando no encontro pelo atual presidente do CVP, o diretor do Departamento de Saúde Animal (DSA) do Ministério da Agricultura, Guilherme Marques, e pelo secretario técnico do CVP, o fiscal federal agropecuário da Superintendência Federal de Agricultura de Minas Gerais (SFA-MG), Jose Mascarenhas. Também estiveram presentes integrantes dos serviços veterinários oficiais dos seis países membros da entidade (Argentina, Brasil, Chile, Paraguai, Uruguai e Bolívia) e o representante regional da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE, sigla em inglês) para as Américas, Luis Osvaldo Barcos.

Durante o encontro, foram debatidos ainda a fiscalização no trânsito de animais e medidas de controle para evitar a entrada do vírus Schmallenberg na América do Sul. O agente apareceu recentemente na Europa (Alemanha, Holanda. Bélgica, Franca e Reino Unido) e pode ser trazido para o continente por meio da importação de bovinos e ovinos vivos para fins comerciais.

 

Fonte:
Ministério da Agricultura

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital