Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 02 > São Paulo volta a participar do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos

Saúde

São Paulo volta a participar do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos

por Portal Brasil publicado: 09/02/2012 21h03 última modificação: 29/07/2014 09h08

O estado de São Paulo voltou a integrar o Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos (Para) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A decisão foi tomada em reunião, realizada na última quarta-feira (8), entre a Anvisa e o Centro de Vigilância Sanitária paulista (CVS-SP).

Com essa ação, o Para passará a monitorar a quantidade de resíduos de agrotóxicos em alimentos em todos os estados do País. “Consideramos um grande avanço para o programa, pois o estado de São Paulo tem a maior população do Brasil e grande importância na produção agrícola e na distribuição de alimentos para vários estados”, exalta o diretor da Anvisa, Agenor Álvares.

Encaminhamentos

Durante a reunião, ficou acordado que a Anvisa irá realizar uma capacitação sobre o programa para os fiscais do CVS-SP entre os dias 5 e 9 de março. Como resultado, já estão programadas coletas de amostras de alimentos nos mercados paulistas ainda no primeiro semestre”, explica Álvares. Além de representantes da Anvisa e da CVS-SP, participou da reunião o coordenador de Controle de Doenças da Secretaria de Saúde de São Paulo, Marcos Boulos.

O objetivo do Para, criado em 2001, é garantir a segurança alimentar do trabalhador brasileiro e a saúde do trabalhador rural. O programa funciona a partir de amostras de alimentos coletadas pelas vigilâncias sanitárias dos estados e municípios em supermercados. 

Em 2010, o programa monitorou os resíduos de agrotóxicos em 18 culturas: abacaxi, alface, arroz, batata, beterraba, cebola, cenoura, couve, feijão, laranja, maçã, mamão, manga, morango, pepino, pimentão, repolho e tomate. Apesar de as coletas não serem de caráter fiscal, o programa tem contribuído para que os supermercados qualifiquem seus fornecedores e para que os produtores rurais adotem integralmente as boas práticas agrícolas.

O programa motivou a criação do Grupo de Trabalho de Educação e Saúde sobre Agrotóxicos (Gesa), integrado por diferentes órgãos e entidades. O grupo tem como objetivo elaborar propostas e ações educativas para reduzir os impactos do uso de agrotóxicos na saúde da população, implementar ações e estratégias para incentivar os sistemas de produção integrada e orgânicos e, no caso dos cultivos convencionais, orientar o uso racional de agrotóxicos.

O trabalho do Gesa já resultou na publicação de uma cartilha educativa com dicas de como evitar intoxicações por agrotóxicos e com informações sobre o uso seguro desses produtos. No total, foram impressos 20 mil exemplares da cartilha, distribuídos aos órgãos de vigilância sanitária estaduais, Associação Brasileira de Supermercados, Ministério da Agricultura, Ministério da Saúde e Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea).

 

Fonte:
Anvisa

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento

Últimas imagens

Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Arquivo/Ministério da Saúde
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Olival Santos/Governo de Alagoas
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Divulgação/Prefeitura de Itanhaém (SP)
Estudantes serão envolvidos em atividades como prevenção à obesidade e combate ao Aedes aegypti
Estudantes serão envolvidos em atividades como prevenção à obesidade e combate ao Aedes aegypti
Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Governo digital