Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 02 > Saúde libera R$12 milhões para investimentos em hospital do Rio de Janeiro

Saúde

Saúde libera R$12 milhões para investimentos em hospital do Rio de Janeiro

por Portal Brasil publicado: 27/02/2012 17h01 última modificação: 29/07/2014 09h08

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou na última sexta-feira (24) a liberação de R$ 12 milhões para o município do Rio de Janeiro e investimentos no Hospital Municipal Miguel Couto. Estes recursos serão aplicados nas Coordenações Operacionais Regionais de Emergência (Core) do município e na aquisição de equipamentos para qualificar o atendimento cirúrgico do hospital, além de auxiliar na organização da rede de urgências, abrindo mais leitos.

Já está sendo construída pela Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil uma unidade da Core que dividirá os atendimentos de emergência com o hospital, oferecendo mais 35 leitos de Unidade de Terapia Intensa (UTI) para a rede municipal e criando condições para a unidade reorganizar seu espaço físico. Com isso, novos leitos para internação e uma sala especializada para o atendimento de pacientes com Acidente Vascular Cerebral (AVC) também serão abertos no Miguel Couto, conforme previsto no plano de ação do S.O.S Emergências.

“Algumas ações imediatas de grande impacto já vêm sendo aplicadas no Miguel Couto, como a organização do acolhimento e da classificação de risco na emergência. O desafio é construirmos uma rede de leitos de retaguarda. Hoje, nós conseguimos salvar mais vidas, mas muitas vezes as pessoas ficam internadas em locais não adequados por falta dos leitos de retaguarda”, disse Padilha. O ministro acrescentou que com a abertura da Core haverá mais ofertas de leitos de UTI.

 

Atendimento

Com a abertura da Core e a distribuição dos atendimentos de emergência, está prevista uma reorganização do espaço físico do pronto-socorro do Miguel Couto, além da implantação, até julho, de sistema informatizado, que concentrará desde dados dos pacientes a informações sobre material e insumos. Deverá ser ampliada também a rede de atenção domiciliar – Melhor em Casa – que no município conta atualmente com sete equipes, o que possibilita a alta de pacientes internados, que passam a ser acompanhados em casa.

O secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann, que acompanhou a apresentação do diagnóstico, destacou que a rede municipal vem passando no último ano pela maior ampliação de leitos, e que o apoio do Ministério da Saúde é muito bem-visto.

Ao todo, são cerca de 500 novos leitos em unidades em construção em todas as regiões da cidade, como as Cores e o Hospital da Mulher de Bangu.

 

Situação

O diagnóstico elaborado pelo Núcleo de Acesso e Qualidade Hospitalar (NAQH), formado por profissionais da unidade e do Ministério da Saúde, confirmou a avaliação realizada anteriormente pela Secretaria Municipal de Saúde. Segundo o documento, os problemas variam da localização inadequada da sala vermelha (reanimação) da emergência, a informatização incipiente, a permanência prolongada de pacientes nas salas da emergência; e o retorno de pacientes internados à emergência por agravamento do quadro, até a demora na realização de cirurgias sem indicação de emergência. Foi registrada também a insuficiência de vagas em UTI, em unidades intermediárias e semi-intensiva.

O relatório apontou ainda que existem dificuldades de encaminhar pacientes oncológicos, urológicos, de cirurgia vascular e traumato-ortopédicos para serviços de referência ou de reabilitação na rede Sistema Único de Saúde (SUS). Por isso, há necessidade de uma rede regulada de hospitais estaduais, federais, universitários e institutos especializados, como o Instituto Nacional do Câncer (Inca) e o Instituto de Traumatologia e Ortopedia (Into).

 

Investimentos

O hospital já havia assinado convênio de R$ 3 milhões com o ministério para a aquisição de equipamentos. Ainda pelo S.O.S Emergências estão previstos recursos de R$ 3,6 milhões, em 12 parcelas de R$ 300 mil para custear as ações de melhoria no hospital.

 

Estratégia

O S.O.S. Emergências é uma ação estratégica do Ministério da Saúde, lançada em 2011, com o objetivo de qualificar e melhorar o atendimento das principais emergências que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Ela integra a Rede Saúde Toda Hora e, além do Miguel Couto, foi implantada no Hospital Estadual Albert Schweitzer, também no Rio de Janeiro.

Todos os hospitais selecionados são referências regionais, possuem pronto-socorro e realizam grande número de internações e atendimentos ambulatoriais. A meta é que até 2014 o S.O.S Emergências atinja os 40 maiores prontos-socorros brasileiros, em 26 estados e no Distrito Federal.

 

Fonte:
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento

Últimas imagens

Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Foto: Rodrigo Nunes/MS
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Arquivo/Ministério da Saúde
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Olival Santos/Governo de Alagoas
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Divulgação/Prefeitura de Itanhaém (SP)

Governo digital