Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 03 > Especialistas internacionais conhecem monitoramento brasileiro de implantes ortopédicos

Saúde

Especialistas internacionais conhecem monitoramento brasileiro de implantes ortopédicos

por Portal Brasil publicado: 22/03/2012 16h13 última modificação: 29/07/2014 09h07

Representantes das autoridades sanitárias dos Estados Unidos e do Canadá estão em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, para conhecer o trabalho de monitoramento de implantes ortopédicos realizado pelo Grupo Hospitalar Conceição (GHC). O projeto é resultado de parceria entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o GHC e tem como objetivo reduzir o número de eventos adversos e qualificar os procedimentos cirúrgicos do Sistema Único de Saúde (SUS) que envolvem implantes ortopédicos.

A partir de prontuários informatizados, os médicos do Hospital Cristo Redentor – onde o projeto piloto foi iniciado, comprometem-se a alimentar o sistema com uma série de dados relativos à qualidade, segurança e efetividade dos implantes. Desde setembro de 2010, quando começou,  já foram coletadas 54 amostras, que correspondem à análise de 213 componentes – 133 implantes de quadril e 80 de joelho.

Segundo Mike Ward, da agência Health Canada, conhecer a experiência brasileira contribui para o fortalecimento da regulação sanitária de produtos para saúde em seu país. “Para promover saúde, três elementos são fundamentais: infraestrutura, recursos humanos e produtos. Essa interação é muito clara neste projeto [brasileiro]”, comentou durante visita ao Hospital Cristo Redentor.

O diretor superintendente do GHC, Carlos Eduardo Neri Paes, destacou a cooperação de todos os envolvidos como fator imprescindível para o sucesso da iniciativa. “Apesar das resistências iniciais, conseguimos, ao longo do processo, uma grande adesão dos profissionais. A construção cooperativa viabiliza mudanças”, disse.

O diretor-adjunto da Anvisa, Luiz Roberto Klassman, também elogiou o trabalho em equipe, mas enfatizou a preocupação da Anvisa em não restringir o projeto à rede de hospitais onde foi testado. Segundo o diretor, a Anvisa já articula a expansão do projeto para outros hospitais de referência no País. A expectativa é iniciar a implementação ainda em 2012.

 

Fonte:
Anvisa

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital