Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 04 > Anvisa defende regulação do mercado de agrotóxicos

Saúde

Anvisa defende regulação do mercado de agrotóxicos

por Portal Brasil publicado: 12/04/2012 11h59 última modificação: 29/07/2014 09h06

O diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Agenor Álvares, defendeu a necessidade de regulação do setor de comércio de agrotóxicos. Segundo dados divulgados pela agência, na quarta-feira (11), apenas metade dos registros aprovados pelo órgão para que o produto seja vendido no Brasil resulta em produção e venda de fato. 

A Anvisa também informou que 24% das empresas registradas não chegaram a produzir nem comercializar nenhum produto durante a última safra.  

Regras para laboratórios que controlam produtos agrotóxicos entram em consulta pública.

Anvisa faz o controle sanitário da produção e comercialização de produtos e serviços.

 

Segundo o diretor, esses números demonstram que há um processo de reserva de mercado por parte de muitas indústrias, o que levanta a necessidade de regulação do setor. Álvares ainda informou que, como os registros concedidos pelo governo brasileiro não têm prazo de validade, muitas empresas os usam para aumentar seu valor de mercado. 

Outro fator que contribui para a demanda das empresas pela concessão de registros é o preço - cerca de US$ 1 mil. Nos Estados Unidos, por exemplo, o valor de um registro semelhante pode chegar a US$ 630 mil, dependendo do produto. Atualmente, há cerca de 350 pedidos de registro em fila. 

Uma das consequências negativas da falta de regulação e do processo de reserva de mercado, de acordo com o diretor, é a diminuição da competição no setor e, como resultado, o aumento do preço dos agrotóxicos aos produtores rurais. 

“Existe um projeto de lei do Senado Federal que diz que o agrotóxico registrado, não sendo produzido em dois anos, tem seu registro extinto. Acho que isso é uma questão importante para nós, porque não é possível que se faça um esforço para registrar em três órgãos e depois o produto não é fabricado e não é comercializado”, concluiu Álvares.

 

Fonte:
Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital