Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 04 > Apex renova convênio com indústria de produtos de saúde para estimular exportações

Saúde

Apex renova convênio com indústria de produtos de saúde para estimular exportações

por Portal Brasil publicado: 12/04/2012 17h11 última modificação: 29/07/2014 09h06

No evento comemorativo do cinquentenário da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo), a entidade representante da indústria brasileira de produtos para a saúde renovou o convênio que mantém há dez anos com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Por meio desse convênio, serão investidos, nos próximos dois anos, R$ 11 milhões nas atividades do projeto de promoção de exportações Brazilian Health Devices.   

A renovação da parceria trará ações inovadoras como um programa de incentivo à obtenção de certificações internacionais e o estímulo à aceitação da certificação brasileira em outros países - por meio do convite a órgãos regulatórios estrangeiros para visitarem o Brasil e conhecerem o processo regulatório brasileiro.

Ações estratégicas como marketing setorial, estudos de inteligência comercial e competitiva, presença em feiras, missões comerciais e projetos comprador e imagem serão desenvolvidas nos mercados-alvo do Brazilian Health Devices: Chile, Peru, Estados Unidos, Angola, Arábia Saudita, Rússia, Índia e México.

Pela primeira vez, o setor participará de feiras na Rússia, a Dental Expo 2012 e na África do Sul, a Africa Health 2013 - com o objetivo de conquistar espaço para os produtos brasileiros nesses mercados.

A meta do projeto é auxiliar as empresas a exportarem US$ 766 milhões em 2012 e US$ 843 milhões em 2013. O grande objetivo do setor, por meio dessa parceria, é atingir US$ 1 bilhão em exportações até 2014.

“Este é um setor importante para os resultados das exportações brasileiras, pois reúne produtos manufaturados de alta intensidade tecnológica e alto valor agregado que ampliam a competitividade brasileira no mercado internacional e mostram a capacidade do Brasil de produzir alta tecnologia e de inovar”, avalia o presidente da Apex-Brasil, Mauricio Borges.

“Os esforços do Brazilian Health Devices estão perfeitamente alinhados com a missão da Apex-Brasil de desenvolver a competitividade das empresas brasileiras, promovendo a internacionalização dos seus negócios e a atração de investimentos estrangeiros diretos”, completa o presidente.

 

Retrospectiva

Em 2001, o setor exportava US$ 195 milhões para aproximadamente 40 países, e a indústria brasileira de produtos para a saúde era pouco conhecida internacionalmente. Hoje, a indústria brasileira exporta para mais de 180 países, e o resultado das vendas externas em 2011 foi de US$ 707 milhões, um crescimento de 260% nos últimos dez anos.

Os Estados Unidos são os maiores compradores de equipamentos e materiais de consumo brasileiros nos segmentos de odontologia, médico-hospitalar e laboratorial. Quase um quarto das exportações brasileiras do setor em 2011 foi direcionado aos Estados Unidos. O Brasil também exporta esses produtos para Argentina, Venezuela, México, Colômbia, Chile, Bélgica e Alemanha.

“Um dos fatores que impulsionou essa evolução foi a parceria com a Apex-Brasil, por meio da qual temos promovido a indústria brasileira de produtos de saúde internacionalmente há dez anos, com excelentes resultados”, afirma Paula Portugal, gerente de projetos internacionais da Abimo.

Segundo Paula, um exemplo é o resultado do último convênio: de março de 2010 a março de 2012, 150 empresas participaram de mais de 40 ações e fecharam negócios na ordem de US$ 331 milhões.

“A parceria com a Apex-Brasil possibilitou o amadurecimento da indústria”, afirma o presidente da associação, Franco Pallamolla. Uma das conquistas, segundo ele, foi a criação da marca setorial Brazilian Health Devices que, em 2011, passou a simbolizar a indústria brasileira de produtos para a saúde no exterior, sendo utilizada para aumentar a visibilidade do setor e aumentar sua competitividade no mercado internacional. 

“A Abimo projeta incluir a indústria brasileira entre as cinco maiores fabricantes de equipamentos médicos, odontológicos, hospitalares e de laboratórios do mundo até 2020. O apoio da Apex-Brasil será essencial para essa conquista”, finaliza Pallamolla.

 

Fonte:
Apex-Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital