Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 04 > Direito à sexualidade

Saúde

Direito à sexualidade

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) garante que o direito de se viver a sexualidade é tão fundamental quanto o direito à vida
por Portal Brasil publicado: 24/04/2012 15h18 última modificação: 29/07/2014 09h06

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) garante que o direito de se viver a sexualidade é tão fundamental e universal quanto o direito à vida. Isso deve ser válido também para aqueles que possuem algum tipo de deficiência, seja ela física ou neurológica. 

Atualmente, pessoas com lesão medular e que, por este motivo, tem algum problema sexual, podem recorrer a tratamentos com medicamentos, próteses e terapias, com bons resultados. Já no caso de deficiências neurológicas, as maiores dificuldades não são orgânicas, mas sim de ordem psicossocial, alerta a psicóloga Ana Cláudia Bortolozzi Maia, autora dos livros Inclusão e Sexualidade (Juruá Editora, 2011) e Sexualidade e Deficiências (Editora Unesp, 2006). “São os preconceitos, os estereótipos e a falta de educação sexual que atrapalham”, afirma. 

Para a especialista, é justamente por falta de informação sobre a própria sexualidade e pelas desigualdades sociais que as pessoas com deficiência neurológica são mais vulneráveis a gravidez indesejada, contaminação de doenças sexualmente transmissíveis, além de alvos de abusos sexuais. “Este grupo poderiam ser menos afetado por estes problemas se houvessem ações preventivas que visassem especificamente à saúde sexual e reprodutiva”, diz.

Relatório do Banco Mundial em parceria com a Universidade de Yale sobre HIV/Aids e Deficiência trouxe dado alarmante: mulheres com deficiência correm três vezes mais risco de serem estupradas que mulheres sem deficiência. Outro dado indica que chega até a 70% os casos de abuso sexual de jovens com deficiência intelectual. 

Atualmente, o movimento de pessoas com deficiência neurológicas luta pela conquista de espaço para debater educação sexual, combate à violação dos direitos sexuais e reprodutivos, e inclusão destes tópicos nas políticas públicas. 

O Ministério da Saúde e a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, vinculada à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, desenvolve plano de ação para atuar de forma conjunta para capacitar profissionais do SUS para atender estes pacientes, criar material didático a ser distribuído para a população, preparar adolescentes e jovens com deficiência como agentes multiplicadores para atuarem em promoção de saúde e prevenção, estabelecer parcerias com instituições de ensino superior para que promovam programas de educação permanente no tema, entre outras ações.

Fontes:
Direitos Sexuais e Reprodutivos da Pessoa com Deficiência (2009)
Associação Nacional dos Membros do Ministério Público de Defesa dos Direitos dos Idosos e Pessoas com Deficiência (Ampid) 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento

Últimas imagens

Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Foto: Rodrigo Nunes/MS
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Arquivo/Ministério da Saúde
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Olival Santos/Governo de Alagoas
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Divulgação/Prefeitura de Itanhaém (SP)

Governo digital