Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 04 > No Dia de Conscientização do Autismo, monumentos do Brasil e de outros países ganham iluminação especial

Saúde

No Dia de Conscientização do Autismo, monumentos do Brasil e de outros países ganham iluminação especial

por Portal Brasil publicado: 02/04/2012 21h06 última modificação: 29/07/2014 09h06

Um dos principais cartões-postais do Rio de Janeiro, o Cristo Redentor vai ganhar uma iluminação especial nesta segunda-feira (2), em tons de azul, para marcar o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU). A iniciativa tem o objetivo de chamar a atenção sobre a necessidade do diagnóstico precoce e do tratamento adequado.

Além do monumento carioca, serão iluminados em azul o Teatro Amazonas, em Manaus; o Congresso Nacional, em Brasília; o Empire State Building, em Nova York (Estados Unidos) e o Big Ben, em Londres (Inglaterra).

No Rio de Janeiro, a ação está sendo coordenada por um grupo de organizações não governamentais (ONGs) voltadas ao acompanhamento de pessoas com o distúrbio. Uma delas é a ONG Mão Amiga, que trabalha há 11 anos prestando atendimento a parentes e amigos de pessoas com autismo. A presidente da entidade, Iranice Nascimento, disse que é preciso levar à sociedade mais informações sobre o transtorno, como forma de diminuir o preconceito em relação aos pacientes.

“Muita gente acha que criança autista é mal-educada e que não é capaz de aprender, o que não é verdade. Com o diagnóstico definido, é possível iniciar um tratamento adequado, por meio de terapias diversas, e avançar bastante”, destacou, acrescentando que a programação no Rio também prevê um recital aos pés do Cristo Redentor para destacar o papel da música como uma das terapias que auxiliam no tratamento do autismo.

A psiquiatra Letícia Calmon, da Associação de Amigos do Autismo, entidade ligada à Associação Brasileira de Autismo e que oferece suporte a quem tem o diagnóstico confirmado, explica que os sintomas aparecem antes dos 3 anos de idade e que o tratamento exige uma equipe multidisciplinar.

“O diagnóstico do autismo é clínico, baseado nas informações que a mãe passa e na observação do comportamento da criança. Os principais sintomas, que aparecem nos primeiros anos de vida, são déficit na comunicação, comportamentos repetitivos e dificuldade na interação social. Como não há medicação específica, o tratamento se dá com intervenções comportamentais, que devem ser feitas por uma equipe que inclui fonoterapeuta, terapeuta ocupacional, psicólogo comportamental e psiquiatra.”

Jefferson de Oliveira, de 24 anos, recebeu o diagnóstico de quem tem autismo aos 3 anos de idade, após suspeita da pediatra que o acompanhava. A mãe do rapaz, Maria Aparecida Oliveira, diz que o acompanhamento especializado aumenta muito as chances de redução dos sintomas.

“Hoje os profissionais estão mais capacitados para fazer esse diagnóstico. Quem o recebe precisa ter os pés no chão, saber que cura não tem, mas, dependendo do grau do autismo e do tratamento, há uma boa melhora”, disse ela, ressaltando que, com o estímulo de profissionais, o filho conseguiu concluir o ensino médio.

Fonte:
Agência Brasil

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital