Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 04 > Quedas

Saúde

Quedas

Tombos quase sempre são sinais de que o idoso está com algum problema de saúde
por Portal Brasil publicado: 17/04/2012 17h19 última modificação: 29/07/2014 09h06
Ministério da Saúde Tomografia ajuda a diagnosticar possíveis fraturas ocultas

Tomografia ajuda a diagnosticar possíveis fraturas ocultas

A queda é um dos problemas mais comuns entre os idosos. Muitas vezes, provocam fraturas com consequências graves para a qualidade de vida e a saúde, como imobilidade, dependência, além do alto índice de mortalidade pós-cirúrgico.

O SUS (Sistema Único de Saúde) registra a cada ano mais de R$ 51 milhões com o tratamento de fraturas decorrentes de queda e R$ 24,77 milhões com medicamentos para tratamento da osteoporose, doença que atinge principalmente mulheres na pós–menopausa, caracterizada pela fragilidade dos ossos. 

De acordo com a médica geriatra Fabíola Alves de Santana Borges, da Santa Casa de São Paulo, após os 80 anos de idade, a incidência da osteoporose é a mesma tanto para homens como para mulheres, portanto o cuidado também deve aumentar nessa idade.

Os casos mais graves de fraturas podem levar à morte, principalmente do fêmur. Para reduzir a mortalidade de idosos após quedas, o Ministério da Saúde criou o Comitê Assessor de Políticas de Prevenção e Promoção dos Cuidados da Osteoporose e de Quedas na População Idosa. O Comitê, formado por representantes de várias instituições médicas, realiza oficinas sobre o assunto.

As estatísticas comprovam a gravidade do problema. Segundo a médica geriatra, mais de 30% dos idosos que fraturaram o fêmur morrem em um ano. Além disso, o indivíduo que passou por uma cirurgia decorrente de queda pode ter complicações como tromboembolismo pulmonar (bloqueio da artéria pulmonar), broncopneumonia, risco cardíaco e infecções de maneira geral. 

“A queda com fratura muda a qualidade de vida, muitas vezes é um divisor de águas, o que leva o idoso a ter outra doença e se tornar dependente.” Uma parte vai voltar a andar, mas outra, não. A especialista também diz que o Brasil não está preparado para evitar quedas, devido ao ambiente externo ainda inadequado à acessibilidade dos idosos na maioria das cidades.

O projeto Casa Segura, novo conceito de moradia que oferece ambientação adequada, segura e confortável para o idoso, foi aprovado pelo Ministério da Saúde e passou a fazer parte do Programa de Atenção Integral à Saúde do Idoso.

As causas da queda podem estar relacionadas ao ambiente externo – calçada inadequada, iluminação, tapetes, localização dos móveis – ou ao próprio paciente, que possivelmente esteja frágil em algum aspecto – com alterações sensitivas (visual, audição, tato, equilíbrio), perda de força muscular ou alterações cardíacas e vasculares graves. 

Existem também as causas secundárias, como o uso de medicações que podem alterar a pressão arterial e provocar tontura. 

Entre as recomendações para tornar os ambientes seguros para a terceira idade, estão:

Acesso deve ser fácil, sem barreiras, com piso externo áspero e marcações claras no caminho;
Trincos de segurança deslizantes, maçaneta tipo alavanca;
Rampas para vencer desníveis;
Boa iluminação: interruptores de luz próximos à cama, luz de emergência e luz noturna nos banheiros, corredores e cozinha;
Ambientes livres de obstáculos, principalmente objetos e móveis baixos;
Barras de segurança em alguns cômodos;
Gavetas de fácil abertura;
Objetos de uso frequente devem estar em locais de fácil acesso.

Fontes: 
Ministério da Saúde
Casa Segura

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Número de brasileiros no Programa Mais Médicos aumentou
Em um ano, aumentou 44% a participação de médicos brasileiros no Programa Mais Médicos. Expectativa do governo é substituir 4 mil profissionais em três anos
Governo amplia recursos para UPAs 24h
Ministério da Saúde amplia em R$ 93 milhões os recursos para UPAS 24 horas. O investimento será usado para pagar e qualificar os serviços ofertados à população
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Em um ano, aumentou 44% a participação de médicos brasileiros no Programa Mais Médicos. Expectativa do governo é substituir 4 mil profissionais em três anos
Número de brasileiros no Programa Mais Médicos aumentou
Ministério da Saúde amplia em R$ 93 milhões os recursos para UPAS 24 horas. O investimento será usado para pagar e qualificar os serviços ofertados à população
Governo amplia recursos para UPAs 24h

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital