Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 05 > Anvisa apoia estudos sobre possível relação entre agrotóxicos e casos de câncer

Saúde

Anvisa apoia estudos sobre possível relação entre agrotóxicos e casos de câncer

por Portal Brasil publicado: 09/05/2012 15h58 última modificação: 29/07/2014 09h05

A diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai julgar, nesta quarta-feira (9), o termo de cooperação que deverá ser firmado com o Centro Internacional de Pesquisas sobre o Câncer para detectar possíveis vinculações de casos da doença com a presença de agrotóxicos nos alimentos.

O presidente da agência reguladora, Dirceu Barbano, disse em audiência pública na Comissão de Seguridade Social da Câmara dos Deputados que a definição sobre o assunto “é muito importante, pois há muita polêmica em torno da questão e, sempre que o assunto é abordado pela agência, ela é muito questionada”.

Barbano também falou sobre outras questões polêmicas que estão no âmbito da agência. Ele defende, por exemplo, que o consumidor tem o direito de saber quais os teores de açúcar e de gordura presentes nos alimentos. Como a questão está na Justiça, a Anvisa tem dificuldade de fazer valer a normatização sobre o assunto. O presidente alertou que o consumo em excesso de açúcar está deixando as crianças obesas.

Outro ponto em discussão na audiência pública foi a disseminação do uso do crack no País. Para ele, a comunidade terapêutica pode dar grande contribuição para conter a epidemia que acontece atualmente com o uso do crack, “que impõe desafios à sociedade e que todos os brasileiros se engajem” para reduzir essa prática, disse.

A Anvisa também quer entrar na discussão sobre a propaganda de bebidas alcoólicas. Para Barbano, esse é outro problema sério enfrentado pelo órgão regulador da área da saúde. Segundo ele, a agência tem estrutura para atuar no controle e monitoramento da propaganda, desde que haja autorização legal para isso.

A partir do próximo ano, a Anvisa terá diretorias orientadas para atuar nessa área. Dirceu Barbano aproveitou a ida à comissão para pedir o apoio dos parlamentares no sentido de aperfeiçoar os mecanismos de controle da propaganda de bebidas alcoólicas.

 

Fonte:
Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital