Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 05 > Brasil defende na OMS que pesquisas em saúde atendam a países em desenvolvimento

Saúde

Brasil defende na OMS que pesquisas em saúde atendam a países em desenvolvimento

por Portal Brasil publicado: 22/05/2012 20h08 última modificação: 29/07/2014 09h05

A representação brasileira na Assembleia-Geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) defendeu nesta terça-feira (22), em Genebra, na Suíça, que as pesquisas mundiais e a inovação tecnológica sejam direcionadas às necessidades dos países em desenvolvimento.

Diante do dado de que 95% das pesquisas mundiais são produzidas em países desenvolvidos, o Brasil leva à OMS propostas para reduzir essa assimetria entre países desenvolvidos e em desenvolvimento para a produção de pesquisa.

Entre as propostas apresentadas para o Brasil está a criação de “patent pool”, ou seja, quando um grupo de empresas que detêm patente de medicamentos concede o direito de produção para países com população mais vulnerável ou para países que tenham capacidade de produzir a nações com população mais vulnerável.

Para o ministro da Saúde brasileiro, Alexandre Padilha, que discurso na assembleia-geral, a iniciativa privada investe no que dá mais lucro, deixando para o Estado a responsabilidade de aplicar em novas tecnologias voltadas às populações mais vulneráveis. “Isso acontece devido ao alto custo da produção científica e à apropriação privada do conhecimento tecnológico”, ressalta. Para Padilha, é preciso criar estímulos de financiamento à inovação em áreas não movidas pelo lucro e construir modelos de inovação que favoreçam a cooperação. 

O governo brasileiro propõe a reorganização do arcabouço legal da propriedade intelectual. O primeiro código de propriedade intelectual, que é do século XIX, determina a proteção da patente por 20 anos, quando, em alguns casos, a tecnologia torna-se obsoleta. Outra proposta é a realização de Parcerias Público Privadas (PPPs) para aumentar o investimento em pesquisa voltadas a populações mais carentes.

Internamente, o Brasil já adota práticas como o fortalecimento do parque produtivo nacional de fármacos (bioprodutos e químicos), medicamentos, equipamentos, hemoderivados e vacinas; a ampliar das Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs); o investimento na qualificação e estrutura dos laboratórios públicos, e a regionalização da produção e inovação em saúde.

Este ano, o Ministério da Saúde lançou o Programa de Investimentos no Complexo Industrial da Saúde (Procis), com investimento de R$ 2 bilhões até 2014: R$ 1 bilhão do governo federal e R$ 1 bilhão de governos estaduais. Em 2012, vai disponibilizar R$ 270 milhões, valor  cinco vezes maior que a média nos últimos 12 anos (R$ 42 milhões). De 2000 a 2011, o governo federal investiu R$ 512 milhões. Os recursos serão aplicados em infraestrutura e qualificação de pessoal em 18 laboratórios públicos, em diferentes regiões.

Atualmente, 34 PDPs já foram formalizadas para produção de 33 produtos finais, sendo 28 medicamentos, o método contraceptivo DIU, um kit de diagnóstico utilizado no pré-natal para identificar múltiplas doenças e três vacinas.

O governo vai ampliar as PDPs, com transferência de tecnologia entre laboratórios privados e públicos. Em 2012, deverão ser criadas nove PDPs. Estão previstas outros 20 novas nos próximos quatro anos. Elas abrangem produtos biológicos (para artrite reumatoide, doenças genéticas e oncológicos), medicamentos para as doenças negligenciadas e equipamentos, principalmente na área de órteses e próteses.

Em abril deste ano, foi estabelecido o marco regulatório para as PDPs. Uma portaria definiu as diretrizes e critérios para parcerias entre instituições públicas e entidades privadas. Com isso, pretende estimular as PDPs, ampliando o acesso da população a tecnologias prioritárias e insumos estratégicos, reduzindo a vulnerabilidade do SUS a longo prazo e fomentando o desenvolvimento tecnológico e intercâmbio de conhecimentos para inovação

 

Fonte:
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Governo assume metas para conter crescimento da obesidade no País
Entre as medidas estão a redução do consumo de sucos artificiais e refrigerantes em, pelo menos, 30% e incentivar o consumo frutas e hortaliças regularmente
Cooperação incentivará vacinação nas escolas
Parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação visa incentivar vacinação nas escolas. Material informativo sobre HPV e Meningite C será distribuído nas unidades escolares
Ligações para Centro de Valorização da Vida serão gratuitas em todo o País
Acordo entre Ministério da Saúde e o centro permitirá que a organização faça atendimentos gratuitos por meio de um número único para todo o País
Entre as medidas estão a redução do consumo de sucos artificiais e refrigerantes em, pelo menos, 30% e incentivar o consumo frutas e hortaliças regularmente
Governo assume metas para conter crescimento da obesidade no País
Parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação visa incentivar vacinação nas escolas. Material informativo sobre HPV e Meningite C será distribuído nas unidades escolares
Cooperação incentivará vacinação nas escolas
Acordo entre Ministério da Saúde e o centro permitirá que a organização faça atendimentos gratuitos por meio de um número único para todo o País
Ligações para Centro de Valorização da Vida serão gratuitas em todo o País

Últimas imagens

Substâncias anabolizantes, abortivas ou que causam má-formação fetal também são enquadradas na lista
Substâncias anabolizantes, abortivas ou que causam má-formação fetal também são enquadradas na lista
Divulgação/EBC
Brasil atingiu Metas dos Objetivos do Milênio de combate à tuberculose com três anos de antecedência
Brasil atingiu Metas dos Objetivos do Milênio de combate à tuberculose com três anos de antecedência
Divulgação/Ministério da Saúde
Substância misoprostol faz parte da lista de substâncias sujeitas a controle especial da Anvisa
Substância misoprostol faz parte da lista de substâncias sujeitas a controle especial da Anvisa
Divulgação/Ministério da Saúde
Devido ao surto de febre amarela em alguns estados brasileiros, registro de vacinação contra a febre amarela passou a ser exigido dos viajantes
Devido ao surto de febre amarela em alguns estados brasileiros, registro de vacinação contra a febre amarela passou a ser exigido dos viajantes
Arquivo/Anvisa
Os alimentos da marca são comercializados pela internet por fabricante desconhecido
Os alimentos da marca são comercializados pela internet por fabricante desconhecido
Divulgação/Governo do Paraná

Governo digital