Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 05 > Organizações participaram de mobilização pela saúde da mulher e redução da morte materna

Saúde

Organizações participaram de mobilização pela saúde da mulher e redução da morte materna

por Portal Brasil publicado: 28/05/2012 16h49 última modificação: 29/07/2014 09h05

Redes e organizações da sociedade civil de diferentes estados brasileiros realizaram nesta segunda-feira (28) a Mobilização pela Promoção dos Direitos das Mulheres e Redução da Morte Materna.

No Rio de Janeiro, integrantes da Rede Estadual de Jovens Vivendo e Convivendo com HIV/Aids utilizaram a internet para divulgar uma campanha nacional sobre o tema. No dia 16 de junho o grupo vai realizar a oficina Estamos Todos Juntos Pela Redução da Morte Materna. Para a facilitadora da Rede, Damiana Cristina Adão, apesar dos avanços nas políticas públicas e na redução de mortes de gestantes, cerca de 90% das mortes de mulheres grávidas são evitáveis, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Hoje, de 92 mulheres que engravidam, uma morre durante o parto, segundo o Ministério da Saúde e a maioria é jovem. Por isso, queremos dar um grito para que a atenção à saúde da mulher seja humanizada e não discriminatória, pois muitas mulheres não têm condições financeiras nem de se deslocar para um hospital”, ressaltou.

As atividades da mobilização, que celebra nesta segunda-feira (28) a Luta Pela Saúde da Mulher e a Redução da Mortalidade Materna, estão agendadas para serem realizadas em todo o Brasil. Idealizada em 2009 pelo Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa) e pela Prefeitura do Município de Salvador, com apoio do Ministério da Saúde, a mobilização vem ganhando adesões.

Dados do relatório Tendências Sobre a Mortalidade Materna: 1990 a 2010, elaborado pela OMS, apontam que o País registrou uma redução de 51% nas mortes maternas, superior à média mundial (47%) e latino-americana (41%) para o período, mas ainda insuficiente para alcançar a meta do Objetivo de Desenvolvimento do Milênio que estabelece uma redução de 75% em relação aos dados de 1990.

Ainda segundo o relatório, a cada dois minutos uma mulher morre por complicações na gravidez. As quatro causas mais comuns de morte são hemorragias graves após o parto, infecções, hipertensão durante a gravidez e abortos inseguros, realizados em más condições.

 

Fonte:
Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital