Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 05 > Saúde vai vacinar também povos indígenas

Saúde

Saúde vai vacinar também povos indígenas

por Portal Brasil publicado: 04/05/2012 21h00 última modificação: 29/07/2014 09h05

O Ministério da Saúde reforça a imunização dos indígenas brasileiros durante os próximos 30 dias. É o Mês de Vacinação dos Povos Indígenas (MVPI) nas reservas indígenas, com o objetivo é alcançar os que moram em aldeias, em áreas de difícil acesso e com baixa cobertura vacinal. Serão oferecidas mais de 350 mil doses contra diversas doenças, como hepatite B, paralisia infantil, difteria, tétano, coqueluche, meningite, gripe, caxumba, febre amarela, entre outras doenças.

A campanha vai de 5 de maio, começando na Aldeia Paroá, no município de Feijó (AC), até 5 de junho. A ação ocorrerá paralelamente à 14ª Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe, que vai até dia 25 de maio, de forma simultânea em todos os estados e no Distrito Federal, para idosos, gestantes, crianças entre seis meses e dois anos de idade, trabalhadores da saúde e população prisional.

Para garantir a “multivacinação”, a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) selecionou todos os 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dseis) e irá realizar uma mega operação, com o envolvimento direto de 3.124 profissionais de saúde. A logística dessa vacinação é diferenciada, levando em consideração as especificidades dessa população e dificuldades pela distância a serem percorridas até as aldeias, seja por carro, barco, helicóptero ou avião monomotor.

A ação abrange 152 etnias e 1.330 aldeias espalhadas por todos os estados brasileiros. Serão investidos mais de R$ 4,3 milhões entre aquisição de insumos e imunobiológicos, logística e transporte.

As vacinas serão oferecidas para toda a população indígena aldeada - 238.266 mil pessoas - dos 34 Dseis. O foco será nos grupos mais vulneráveis: crianças menores de cinco anos, mulheres em idade fértil e idosos.

De acordo com o secretário Especial de Saúde Indígena, Antônio Alves, o diferencial entre a vacinação indígena e da população em geral é que no caso dos indígenas são os profissionais que se deslocam até as reservas, para alcançar populações que vivem de forma dispersa e em aldeias de difícil acesso. “A logística é especial por causa do afastamento das aldeias dos centros urbanos. É um mês intensivo para aumentar a cobertura de todo o calendário vacinal desses povos e garantir a imunização”, destacou.

No Brasil, cerca de 400 mil índios de 210 povos diferentes são atendidos pelo SUS

Fonte:
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital