Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 06 > Governo amplia parcerias para fortalecer Rede Cegonha

Saúde

Governo amplia parcerias para fortalecer Rede Cegonha

por Portal Brasil publicado: 13/06/2012 16h26 última modificação: 29/07/2014 09h04

Objetivo é custear unidades de saúde e viabilizar a continuidade do atendimento

 

O governo federal quer ampliar a parceria entre estados e municípios para garantir o fortalecimento do Rede Cegonha, programa de atenção a gestantes e bebês. O objetivo é custear unidades de saúde e viabilizar a continuidade do atendimento.

A presidenta Dilma Rousseff disse que a iniciativa é uma das prioridades de seu governo. “Um país tem de ser medido por alguns métodos. Eu não sou daquelas pessoas que acham que não tem importância o Produto Interno Bruto (PIB). Tem sim, é uma das referências. Mas eu acredito que, entre essas referências, uma delas deve se destacar para todos nós, que é o que este País está fazendo para as mães e para as crianças”, avaliou.

Durante uma visita em Minas Gerais, Dilma e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciaram um acréscimo de R$14,2 milhões nos recursos do Programa Rede Cegonha no estado. E mais R$ 88,3 milhões para construção e ampliação de unidades básicas de Saúde (UBS) e unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) serão investidos na região.

Os recursos deverão financiar a construção de sete novas UPAs, a ampliação de outras 19 e a reforma de 462 UBS em Minas, de acordo com o Ministério da Saúde.

 

Leia mais:

Atitudes positivas na gestação garantem gravidez saudável

Rede Cegonha reduz mortalidade materna em 21% no 1º ano do programa, diz Saúde

Exames realizados na gestação evitam problemas de saúde

Brasil está entre os dez países com o maior número de partos prematuros, aponta OMS

 

Fonte:
Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital