Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 06 > Governo federal vai aumentar produção da vacina contra tuberculose

Saúde

Governo federal vai aumentar produção da vacina contra tuberculose

por Portal Brasil publicado: 22/06/2012 19h35 última modificação: 29/07/2014 09h04

Objetivo é exportar o imunizante em escala global


O governo federal vai investir R$ 52 milhões para ampliar a produção nacional da vacina BCG contra a tuberculose em até seis vezes. Os objetivos são exportar o imunizante em escala global e continuar abastecendo a demanda interna. Atualmente, o Brasil produz cerca de 10 milhões de unidades por ano, para o programa nacional de imunização.

O anúncio foi feito nesta sexta-feira (22) pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, em evento na Clínica da Família da Rocinha, no Rio de Janeiro, área de maior registro da doença na cidade. Durante o evento, a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margareth Chan, conheceu as conquistas do modelo brasileiro no tratamento da doença.

“Na hora que a gente inclui 2 milhões de cariocas no sistema de saúde, principalmente no nível primário de atenção, responsável por tomar conta da tuberculose, certamente isso deu à prefeitura a possibilidade de identificar os casos e tratar, educar e diminuir a transmissão”, justificou o secretário de Saúde do Rio, Hans Dohman, lembrando que a Rocinha tem taxa de 84% de cura dos pacientes

A Fundação Ataulfo Paiva, laboratório público responsável pela fabricação da vacina, vai receber os investimentos para construção de um novo parque industrial em Xerém, no município de Duque de Caxias, Baixada Fluminense.

Leia mais:

País atinge uma das metas do milênio com redução de mortes por tuberculose

Brasil é reconhecido pela OMS por eficiência no controle da tuberculose

Brasil gastou R$ 21 bilhões com doenças relacionadas ao tabaco em 2011

 

Fonte:
Agência Brasil

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital