Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 07 > Consumo de suplemento alimentar pode causar danos à saúde, alertam autoridades

Saúde

Consumo de suplemento alimentar pode causar danos à saúde, alertam autoridades

por Portal Brasil publicado: 10/07/2012 12h28 última modificação: 29/07/2014 09h04
Elza Fiúza/Agência Brasil Alguns suplementos não são regularizados pela Anvisa e contêm ingredientes impróprios para o consumo alimentar

Alguns suplementos não são regularizados pela Anvisa e contêm ingredientes impróprios para o consumo alimentar

Alguns suplementos contêm ingredientes que não podem ser consumidos sem o acompanhamento de um médico

 

O consumo de alguns suplementos alimentares, como o Jack3D, Oxy Elite Pro, Lipo-6 Black, entre outros - pode causar graves danos à saúde. O alerta é da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que publicou o informe nesta terça-feira (10).

De acordo com o informe, alguns desses suplementos contêm ingredientes que não são seguros para o consumo alimentar, além de substâncias com propriedades terapêuticas, que não podem ser consumidas sem o acompanhamento de um médico. Os prejuízos à saúde podem causar efeitos tóxicos, em especial no fígado, disfunções metabólicas, danos cardiovasculares, alterações do sistema nervoso e, em alguns casos, levar até a morte.

Segundo o diretor de Controle e Monitoramento Sanitário da Anvisa, José Agenor Álvares, “esses suplementos contêm substâncias proibidas  para uso em alimentos como: estimulantes, hormônios ou outras drogas consideradas como doping pela Agência Mundial Antidoping”.

Confira aqui o alerta da Anvisa sobre o caso.

 

Substâncias estimulantes

A Organização Mundial de Saúde, por meio da Rede de Autoridades em Inocuidade de Alimentos, alertou que tem sido identificado efeitos adversos associados ao consumo da substância dimethylamylamine (DMAA), presente em alguns suplementos alimentares e usado, principalmente, no auxílio ao emagrecimento, aumento do rendimento atlético e como droga de abuso.

A substância, que tem efeitos estimulantes sobre o sistema nervoso central, pode causar dependência, além de outros efeitos adversos, como insuficiência renal, falência do fígado e alterações cardíacas, e pode levar a morte. Na Austrália a Nova Zelândia, já está proibida a comercialização de produtos que contém DMAA.

No Brasil, o comércio de suplementos com a substância também é proibido. Na última terça-feira (3), a Agência incluiu o DMAA na lista de substâncias proscritas no País, o que impede a importação de suplementos que contenham a substância, mesmo que por pessoa física e para consumo pessoal.

 

Recomendações

Para utilização de qualquer tipo de suplemento alimentar, é recomendado consultar um nutricionista ou médico, para identificação de produtos seguros e regularizados junto à vigilância sanitária. Além disso, os consumidores que já adquiriram produtos que contém o DMAA devem buscar orientação junto à autoridade sanitária local sobre a destinação adequada dos mesmos.

Para mais informações, está disponível a Central de Atendimento da Anvisa, no número 0800 642 9782.

 

Leia mais:

Anvisa suspende fabricação, comércio e uso de produto emagrecedor

Anvisa determina apreensão de suplemento alimentar composto de catuaba e ginseng

Anvisa suspende comercialização do suplemento alimentar Divine Shen

 

Fonte:
Agência Nacional de Vigilância Sanitária

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes

Últimas imagens

Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Arquivo/Agência Brasil
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Arquivo/Ministério da Saúde

Governo digital