Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 07 > Nova técnica poderá diminuir a quantidade de mosquitos da Dengue

Saúde

Nova técnica poderá diminuir a quantidade de mosquitos da Dengue

por Portal Brasil publicado: 31/07/2012 17h12 última modificação: 29/07/2014 09h04
Divulgação/Portal Brasil Nova técnica utiliza radiação para tornar estéril o mosquito transmissor da dengue

Nova técnica utiliza radiação para tornar estéril o mosquito transmissor da dengue

Uma nova técnica - desenvolvida por pesquisadores do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) da Universidade de São Paulo (USP) - utiliza a radiação para tornar o mosquito Aedes Aegypti, o transmissor do vírus da dengue, incapaz de se reproduzir. O estudo é realizado em parceria com a empresa Bioagri, localizada em Charqueada, São Paulo.

O processo consiste em jogar radiação na pupa, como é chamada a fase jovem do inseto macho. Com uma baixa dosagem de radiação gama, que tem como fonte o Cobalto 60, o inseto fica incapaz de fecundar a fêmea. “O macho copula com a fêmea e ela põe os ovos, mas esses ovos não eclodem”, explica o coordenador da pesquisa, professor Valter Arthur.

O objetivo dos pesquisadores é - ao liberar uma grande quantidade de mosquitos estéreis (produzidos em laboratório) na natureza, de preferência em localidades onde a infestação é maior - haja a possibilidade de redução da quantidade de machos com capacidade de reproduzir. “A ideia é diminuir a probabilidade do macho normal cruzar com a fêmea normal”, disse Valter.

Outra vantagem de colocar radiação no Aedes Aegypti é o método ser limpo, sem oferecer risco ao meio ambiente como, por exemplo, o uso de inseticidas.

Na primeira fase do estudo, que durou três meses, os pesquisadores conseguiram determinar o nível de radiação para impedir a proliferação do mosquito. O próximo passo a ser seguido será o teste de compatibilidade, no qual será testada a possibilidade de cruzamento dos insetos. “Não adianta liberar o inseto estéril e ele não procurar a fêmea, ou a fêmea não aceitar o macho estéril”, explica. A expectativa é que toda a pesquisa seja concluída em, aproximadamente, dois anos.

O coordenador afirma que estudos com radiação em insetos são feitos há mais de 30 anos. Porém, é importante esclarecer que a técnica não será capaz de erradicar totalmente a transmissão da doença, mas sim, diminuir a ploriferação a um nível que não seja de epidemia.

O último balanço do Ministério da Saúde aponta que foram confirmados 472.973 casos da doença de janeiro até o dia 4 de julho. No período, foram registradas 154 mortes.

Leia mais:

Como o Brasil enfrenta a dengue

Brasil produzirá mosquito transgênico capaz de combater a dengue

Instituto Butantan vai testar vacina contra dengue em humanos

Mau uso de inseticidas pode prejudicar combate à dengue

 

Fonte:
Agência Brasil

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital