Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 07 > Tamiflu passa a ser comercializado nas farmácias com receita médica simples

Saúde

Tamiflu passa a ser comercializado nas farmácias com receita médica simples

por Portal Brasil publicado: 11/07/2012 18h01 última modificação: 29/07/2014 09h04
MS Medicamento usado para tratamento contra gripe.

Medicamento usado para tratamento contra gripe.

Iniciativa reforça o Protocolo de Tratamento de Influenza - 2011, que atualizou os profissionais de saúde quanto ao tratamento dos casos de gripe

 

O medicamento Oseltamivir, conhecido como Tamiflu, não faz mais parte da lista de substâncias sujeitas a controle especial, diz comunicado especial do Ministério da Saúde, divulgado na quarta-feira (11).

O remédio, que é usado no tratamento da gripe, a partir de agora, passa a ser comercializado nas farmácias de todo o País como os demais medicamentos com receita médica simples, sem a necessidade de controle especial em duas vias (original e cópia).

A determinação é da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), publicada no Diário Oficial da União, e visa facilitar o acesso da população ao medicamento.

Com esta iniciativa, o Ministério da Saúde reforça o Protocolo de Tratamento de Influenza - 2011, que atualizou os profissionais de saúde quanto ao tratamento dos casos de gripe, ratificando junto aos médicos a prescrição e orientação para o acesso rápido ao antiviral oseltamivir.

O tratamento com o remédio deve ser iniciado o mais rápido possível, após os primeiros sintomas, sem aguardar resultados de laboratório ou sinais de agravamento, nas pessoas que apresentarem a Síndrome Gripal e fazem parte dos grupos vulneráveis para complicações - como gestantes, crianças pequenas, idosos, obesos e portadores de doenças crônicas.

Já os pacientes com síndrome gripal, que não pertencem aos grupos de risco, devem receber o medicamento imediatamente caso apresentem sinais de agravamento, como falta de ar ou persistência da febre por mais de três dias. Para atingir sua eficácia máxima, o antiviral deve ser iniciado nas primeiras 48 horas após o início da doença. Entretanto, mesmo ultrapassado esse período o Ministério indica a prescrição do medicamento.

As secretarias estaduais de saúde receberam 418,8 mil caixas do remédio. Antes desta distribuição, no entanto, os estados já estavam abastecidos do medicamento. Cada caixa contém 10 comprimidos, suficientes para um tratamento completo. Nenhum dos 26 estados e Distrito Federal apresenta carência do antiviral.

O antiviral é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) às pessoas que necessitam. Para retirar o antiviral é necessário:

- Receita médica emitida pelos serviços públicos ou privados de saúde;

- Que o medicamento esteja na lista do Rename;

- Que a receita tenha o nome do princípio ativo/denominação genérica e não o nome comercial do remédio.

Tamiflu

Tamiflu, cuja sustância ativa é o Oseltamivir, é um medicamento antiviral de administração oral que age reduzindo a proliferação do vírus da gripe no sangue, assim como inibe a liberação, a partir das células já infectadas, de novos vírus no organismo com capacidade infecciosa.

Sintomas

Surgimento simultâneo de febre, tosse ou dor na garganta, dor de cabeça ou mialgia (dor nos músculos) ou artralgia (dor nas articulações). Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastro-intestinais ou dor muscular intensa.


Efeitos colaterais
Insônia, náusea, bronquite, vômito, vertigem.


Contra-indicações

Não é aconselhável para grávidas ou lactantes e pacientes com alergia ao oseltamivir.

 

Lei mais:

Todos os estados e o DF têm antiviral usado no tratamento da gripe, afirma Ministério da Saúde

O que é a Influenza A (H1N1)

SUS está preparado para atender casos de gripe

Chegada do inverno exige cuidados com a saúde

 

Fonte:
Ministério da Saúde

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital