Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 08 > Brasil terá primeiro laboratório de controle da produção do cigarro no País

Saúde

Brasil terá primeiro laboratório de controle da produção do cigarro no País

por Portal Brasil publicado: 08/08/2012 19h56 última modificação: 29/07/2014 09h04
Divulgação/INT Entre as funções do laboratório está a identificação dos percentuais de nicotina, alcatrão e monóxido de carbono nos cigarros vendidos no País

Entre as funções do laboratório está a identificação dos percentuais de nicotina, alcatrão e monóxido de carbono nos cigarros vendidos no País

Centro de pesquisa vai checar se as informações fornecidas pelos fabricantes de cigarro são verídicas

 

O Instituto Nacional de Tecnologia (INT), órgão do Ministério de Ciência, Tecnologia e Informação (MCTI) vai inaugurar na próxima segunda-feira (13) o primeiro Laboratório de Tabaco e Derivados (Labat) para desenvolver e validar metodologias para controle fiscal da produção de cigarro no Brasil. 

Entre as funções do laboratório está a identificação dos percentuais de nicotina, alcatrão e monóxido de carbono nos cigarros vendidos no País. O objetivo é checar se as informações fornecidas pelos fabricantes de cigarro são verídicas. Hoje, as empresas informam quais ingredientes seus cigarros contém a partir de análises feitas em laboratórios privados dos EUA, do Canadá e do Reino Unido. 

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a tarefa de checagem é extremamente complexa porque o cigarro tem mais de 6.000 componentes tóxicos. O projeto tem parceria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em todo o mundo, além do Brasil, há somente cinco laboratórios como este. O centro de pesquisa brasileiro será o primeiro da América Latina e também será utilizado por países da região, incluindo o Caribe. O laboratório vai integrar a rede mundial de laboratórios TobLabNet (Tobacco Laboratory Network).

O INT vai iniciar o trabalho como projeto piloto e treinar profissionais que vão trabalhar no futuro Laboratório de Controle de Produção de Derivados do Tabaco, que funcionará na própria Anvisa.

No Brasil, pesquisa realizada recentemente pelo Ministério da Saúde, por meio do Instituto Nacional de Câncer, indica que 18,8% da população brasileira é fumante (22,7% dos homens e 16% das mulheres).

Leia mais:

Pesquisa mostra que homens sedentários são mais propensos a sofrer de impotência sexual

Saúde gasta R$ 33 milhões para tratar 340 mil fumantes no País

No Dia Mundial sem Tabaco, Brasil destaca danos à saúde e ao meio ambiente

Anvisa revoga resolução sobre mudanças nas embalagens de cigarros

 

Fonte: MCTI

Instituto Nacional do Câncer

Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital