Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 08 > Distrito Federal quer implantar salas de amamentação para funcionárias públicas

Saúde

Distrito Federal quer implantar salas de amamentação para funcionárias públicas

por Portal Brasil publicado: 06/08/2012 13h31 última modificação: 29/07/2014 09h04
Antonio Cruz/Agência Brasil Evento no Parque da Cidade deu início à Semana Mundial da Amamentação no Distrito Federal

Evento no Parque da Cidade deu início à Semana Mundial da Amamentação no Distrito Federal

Iniciativa vem de encontro às comemorações da Semana Mundial de Aleitamento Materno, na qual participam mais de 120 países

 

Os órgãos públicos do Distrito Federal poderão ter lugares exclusivos para amamentação. A ideia é aumentar a quantidade de mães que alimentam seus bebês apenas com o leite materno, mesmo após elas retornarem ao trabalho. Esta iniciativa vem de encontro às comemorações da Semana Mundial de Aleitamento Materno, na qual participam mais de 120 países e prossegue até terça-feira (7). No Brasil, o tema da campanha é Amamentar Hoje é Pensar no Futuro.

Na capital federal, pesquisa com 300 mulheres feita para identificar as dificuldades encontradas na hora de amamentar fez com que a Secretaria da Mulher, a partir do material coletado, percebesse a importância das salas de amamentação nos órgãos públicos para as funcionárias. A secretaria montou ainda estandes no Parque da Cidade, no centro da região, para divulgar informações sobre a importância do aleitamento materno.

A coordenadora de Aleitamento Materno e Banco de Leite Humano da Secretaria de Saúde, Miriam Santos, disse que o “desenvolvimento das ações conjuntas busca preencher lacunas nas políticas e programas de aleitamento materno e alimentação do lactente e da criança pequena”.

Segundo a pediatra responsável pelo Banco de Leite do Hospital Santa Lúcia, em Brasília, Fábia Queiroga, é importante enfatizar os benefícios da amamentação, como a redução de mortalidade infantil, a recuperação dos bebês doentes e o fortalecimento do sistema imunológico. “O material recebido nos bancos de leite alimenta bebês com até 28 dias de vida e prematuros. Quem puder ajudar é sempre bem-vindo”, lembrou.

 

Campanha

O Dia Mundial da Amamentação foi criado em 1º de agosto de 1992 com o objetivo de combater a desnutrição infantil, promovendo a amamentação natural e possibilitando a criação de bancos de leite para crianças que não tem condições de serem amamentadas por suas mães.

 


Leia mais:

Índice de Aleitamento Materno de crianças com menos de 4 meses cresceu

Semana Mundial do Aleitamento Materno começa nesta quarta-feira (1º)

Morte de bebês pode cair com amamentação

Salário-maternidade é um benefício concedido às mulheres que contribuem para a Previdência Social

 

Fonte:
Agência Brasil

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital