Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 08 > Investimentos devem reduzir tempo na fila por cirurgia de catarata

Saúde

Investimentos devem reduzir tempo na fila por cirurgia de catarata

por Portal Brasil publicado: 30/08/2012 17h48 última modificação: 29/07/2014 09h04
Infográfico/Portal Brasil Cerca de R$ 230 milhões serão investidos na ampliação do atendimento pelo SUS

Cerca de R$ 230 milhões serão investidos na ampliação do atendimento pelo SUS

Procedimentos serão realizados por unidades do SUS, que devem oferecer aos pacientes as triagens, os exames e os encaminhamentos para cirurgia


Cerca de R$ 230 milhões serão repassados aos estados este ano para ampliar o atendimento e o número de cirurgias de catarata na rede pública de saúde. A estratégia faz parte da Política Nacional de Acesso aos Procedimentos Cirúrgicos Eletivos e os recursos são liberados pelo Ministério da Saúde. As ações contam, também, com contrapartidas dos estados, que devem, ainda, destinar parte do valor para municípios em que 10% ou mais de sua população se encontrem em situação de extrema pobreza.

Os procedimentos serão realizados por unidades do SUS (Sistema Único de Saúde), que devem oferecer aos pacientes as triagens, os exames e os encaminhamentos para cirurgia. Se houver algum problema durante e/ou o pós-cirúrgico, o paciente deverá ser levado a um serviço de referência do estado.

No total, o Ministério da Saúde liberou R$ 650 milhões aos estados e municípios brasileiros para a realização das cirurgias eletivas. O investimento representa um crescimento de 86% se comparado com o valor destinado em 2011, que foi de R$ 350 milhões em todo o país. Do total de recursos, R$ 230 milhões são destinados para a realização de cirurgias de catarata.

Estima-se que em 2012, sejam realizadas 432 mil cirurgias. Até junho, 216 mil já foram feitas no âmbito SUS. Os recursos fazem parte de uma nova estratégia do Ministério para garantir o acesso da população aos procedimentos disponibilizados no SUS.

Os estados brasileiros e o Distrito Federal receberão os recursos, em parcela única, para o período de um ano, e serão aplicados nas especialidades de maior demanda e naquelas escolhidas pelos gestores locais, conforme a realidade de sua região. Além disso, do total, R$ 50 milhões são destinados aos municípios com 10% ou mais de sua população em situação de extrema pobreza.

 

Confira os números por estado:

Acre
Investido em 2011: R$ 800 mil
Investido em 2012: R$ 1,2 milhão
Cirurgias previstas: 25.046
Amazonas
Investido em 2011: R$ 3,8 milhões
Investido em 2012: R$ 5,6 milhões
Cirurgias previstas: 7.318
Pará
Investido em 2011: R$ 8,7 milhões
Investido em 2012: R$ 12,7 milhões
Cirurgias previstas: 18.258
Rondônia
Investido em 2011: R$ 917 mil
Investido em 2012: R$ 1,7 milhão
Cirurgias previstas: 1.620
Roraima
Investido em 2011: R$ 451 mil
Investido em 2012: R$ 687,7 mil
Cirurgias previstas: 1.480
Tocantins
Investido em 2011: R$ 1,1 milhão
Investido em 2012: R$ 1,8 milhão
Cirurgias previstas: 2.036
Bahia
Investido em 2011: R$ 14,9 milhões
Investido em 2012: R$ 22,3 milhões
Cirurgias previstas: 64.398
Ceará
Investido em 2011: R$ 9,3 milhões
Investido em 2012: R$ 13,8 milhões
Cirurgias previstas: 25.316
Maranhão
Investido em 2011: R$ 9,8 milhões
Investido em 2012: R$ 13,2 milhões
Cirurgias previstas: 11.842
Paraíba
Investido em 2011: R$ 3,9 milhões
Investido em 2012: R$ 5,9 milhões
Cirurgias previstas: 7.458
Pernambuco
Investido em 2011: R$ 8,3 milhões
Investido em 2012: R$ 12,9 milhões
Cirurgias previstas: 18.392
Piauí
Investido em 2011: R$ 4 milhões
Investido em 2012: R$ 5,6 milhões
Cirurgias previstas: 5.918
Rio Grande do Norte
Investido em 2011: R$ 2,7 milhões
Investido em 2012: R$ 4,4 milhões
Cirurgias previstas: 9.288
Sergipe
Investido em 2011: R$ 2 milhões
Investido em 2012: R$ 3,1 milhões
Cirurgias previstas: 1.708
Distrito Federal
Investido em 2011: R$ 1 milhão
Investido em 2012: R$ 2,4 milhões
Cirurgias previstas: 2.330
Goiás
Investido em 2011: R$ 2,6 milhões
Investido em 2012: R$ 5,8 milhões
Cirurgias previstas: 11.766
Mato Grosso
Investido em 2011: R$ 1,5 milhão
Investido em 2012: R$ 3,1 milhões
Cirurgias previstas: 6.588
Mato Grosso do Sul
Investido em 2011: R$ 1,2 milhão
Investido em 2012: R$ 2,4 milhões
Cirurgias previstas: 5.252
Espírito Santo
Investido em 2011: R$ 1,5 milhão
Investido em 2012: R$ 3,3 milhões
Cirurgias previstas: 9.768
Minas Gerais
Investido em 2011: R$ 10,2 milhões
Investido em 2012: R$ 20,5 milhões
Cirurgias previstas: 33.404
Rio de Janeiro
Investido em 2011: R$ 6,7 milhões
Investido em 2012: R$ 15,1 milhões
Cirurgias previstas: 18.296
São Paulo
Investido em 2011: R$ 17,3 milhões
Investido em 2012: R$ 38,9 milhões
Cirurgias previstas: 85.088
Paraná
Investido em 2011: R$ 4,6 milhões
Investido em 2012: R$ 10,1 milhões
Cirurgias previstas: 19,080
Rio Grande do Sul
Investido em 2011: R$ 4,6 milhões
Investido em 2012: R$ 10,2 milhões
Cirurgias previstas: 16.452
Santa Catarina
Investido em 2011: R$ 2,6 milhões
Investido em 2012: R$ 5,9 milhões
Cirurgias previstas: 9.594

Catarata

A catarata é a alteração do cristalino, uma das principais lentes do olho, onde a imagem é focalizada. Essa lente fica mais opaca com o envelhecimento natural do organismo. A perda da transparência dificulta a chegada da luz à retina e a visão diminui. O avançar dessa condição transforma-se em catarata. A doença é mais comum a partir dos 60 anos e acomete todas as pessoas, mas em graus diferentes.

Alguns idosos não precisam operar logo que aparece a doença, por isso é importante procurar um especialista. A catarata também pode ser provocada por infecções na vida adulta, uso de medicamentos como cortisonas, um trauma (batida no olho, por exemplo) ou deficiência congênita. Os diabéticos geralmente têm catarata mais cedo. A doença é progressiva e reduz a visão.

Saiba mais sobre a doença.


Cirurgia eletiva

A cirurgia eletiva é aquela necessária para tratamento médico, mas que não se caracteriza como urgência ou emergência, ou seja, quando o paciente não está sob o risco de morte imediato ou sofrimento intenso. Os procedimentos podem ser efetuados em data escolhida por ele ou pelo médico, desde que esta data não comprometa a eficácia do tratamento. 


Leia mais:

Mutirões deram início a ação que visa reduzir tempo de espera por cirurgia de catarata

Campanha alerta para o risco de doenças oculares em diabéticos

Hospitais especializados em transplantes receberão recursos para ampliar atendimento

Atendimento oftalmológico alcança 16,2 milhões de brasileiros

Fonte:
Ministério da Saúde



Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital