Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 09 > Gestantes e bebês de mais 4 estados terão rede de assistência ampliada

Saúde

Gestantes e bebês de mais 4 estados terão rede de assistência ampliada

por Portal Brasil publicado: 03/09/2012 18h49 última modificação: 29/07/2014 09h03
Ministério da Saúde Pará, Piauí, Espírito Santo e Amapá serão beneficiados com recursos para qualificar e ampliar a rede de
assistência a gestante e ao bebê

Pará, Piauí, Espírito Santo e Amapá serão beneficiados com recursos para qualificar e ampliar a rede de assistência a gestante e ao bebê

Os recursos serão aplicados em ações para ampliar e qualificar a rede de assistência à mulher e ao bebê

 

A liberação de recursos do Rede Cegonha para os estados do Pará, Piauí, Espírito Santo e Amapá foi aprovada pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira (3). Os recursos atendem a fases diferentes da estratégia para cada estado.

 

Rede Cegonha no Pará

O estado do Pará terá mais R$ 33,1 milhões para dar continuidade às ações da estratégia Rede Cegonha. De imediato, serão repassados R$ 1,6 milhões para os serviços existentes. O restante do valor será pago conforme andamento da Rede Cegonha no estado. “Este montante permitirá que o estado possa qualificar e ampliar a rede de assistência à mulher e ao bebê”, destaca a coordenadora da área técnica da Saúde da Mulher, do Ministério da Saúde, Esther Vilela.

A terceira etapa do plano de ação da Rede Cegonha no estado do Pará contempla os municípios de Altamira, Castanhal, e Paragominas.

 

Piauí

O estado do Piauí vai recebe investimentos de R$ 32,9 milhões para dar continuidade às ações do Rede Cegonha. Serão repassados R$ 10,4 milhões para os serviços existentes. O restante do valor será pago conforme andamento do programa no estado. “Este montante permitirá que o estado possa qualificar e ampliar a rede de assistência à mulher e ao bebê”, destaca a coordenadora.

A segunda etapa do plano de ação da Rede Cegonha no estado do Piauí contempla Teresina, e o município de Parnaíba.

O valor de R$ 7,2 milhões será aplicado em ações previstas na estratégia para ampliar e qualificar a rede de assistência à mulher e ao bebê.

 

Espírito Santo

O Ministério da Saúde aprovou a primeira etapa da Rede Cegonha no estado do Espírito Santo. Serão repassados R$ 7,2 milhões para custear as primeiras ações.

De imediato, serão repassados R$ 3,9 milhões para os serviços existentes. O restante do valor será pago conforme andamento da Rede Cegonha no estado. “Este montante permitirá que o estado possa qualificar e ampliar a rede de assistência à mulher e ao bebê”, Esther Vilela.

O valor é destinado ao custeio de um Centro de Parto Normal e uma Casa da Gestante, Bebê e Puérpera, além da criação de três leitos de Gestação de Alto Risco, 12 leitos de UCI Neonatal e quatro leitos de UCI Canguru. Também serão qualificados oito leitos de Gestação de Alto Risco; 16 leitos de UTI Adulto tipo II e mais 16 leitos de UTI Neonatal tipo II.

 

Amapá

A primeira  etapa da Rede Cegonha no Amapá (AP) foi aprovada na última sexta-feira (31) pelo Ministério da Saúde. Serão repassados cerca de R$ 27,2 milhões para custear as primeiras ações previstas na estratégia Rede Cegonha.

O valor é destinado ao custeio de três Centros de Parto Normal e quatro Casas da Gestante, Bebê e Puérpera, 34 leitos de Gestação de Alto Risco, 13 leitos de UTI Adulto Tipo II, 30 leitos de UTI Neonatal Tipo II, 20 leitos de UCI Neonatal e 26 leitos Canguru.

“O plano define os primeiros passos para a implantação da Rede Cegonha no estado e tem a participação do governo federal, estados e municípios”, explica a coordenadora. A portaria autoriza a transferência de recursos do Fundo Nacional de Saúde  para os fundos de saúde do Estado e municípios da Rede de Assistência, após habilitação de todos os serviços previstos no Plano de Ação.

As ações previstas na estratégia Rede Cegonha visam qualificar, até 2014, toda a rede de assistência, ampliando e melhorando as condições para que as gestantes possam dar à luz e cuidar de seus bebês de forma segura e humanizada. “Temos que construir um ambiente acolhedor para que a mulher se sinta mais segura nesse momento e, para isso, é necessário a qualificação do espaço físico e a mudança das práticas”, enfatiza Esther Vilela.

 

Rede Cegonha

Lançada em março de 2011 pelo governo federal, a Rede Cegonha é um programa que visa garantir atendimento de qualidade a todas as gestantes pelo Sistema Único de Saúde (SUS), desde a confirmação da gestação até os dois primeiros anos de vida do bebê. Ela terá atuação integrada às demais iniciativas do SUS para a saúde da mulher.

A Rede Cegonha prevê ainda a qualificação dos profissionais de saúde responsáveis pelo atendimento às mulheres durante a gravidez, parto e puerpério, bem como a criação de estruturas de assistência, como a Casa da Gestante e a Casa do Bebê, e os Centros de Parto Normal, que funcionarão em conjunto com a maternidade para humanizar o nascimento.

As boas práticas de atenção ao parto e nascimento serão exigidas nas maternidades. Uma delas é o direito a acompanhante de livre escolha da mulher durante todo o trabalho de parto. O ambiente em que a mulher dará a luz deverá ser adequado para oferecer privacidade e conforto para ela e seu acompanhante. Ela terá acesso a métodos de alívio da dor e a possibilidade de ficar em contato pele a pele com seu bebê imediatamente após o nascimento, prática que hoje é demonstrada como benéfica para os dois.

 

 

Leia mais:

Rede oferece às mulheres o direito ao planejamento reprodutivo e à atenção humanizada durante gravidez, parto e pós-parto

Políticas públicas promovem o aleitamento materno e a alimentação complementar

Rede Cegonha chega ao Amapá

Rede Cegonha chega ao estado do Piauí

Lançada Campanha Nacional de Amamentação 2012

 

Fonte:
Ministério da Saúde
Portal Brasil

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fiocruz participa da Semana Nacional dos Museus com uma série de atividades
Museu da Vida da Fiocruz, no Rio de Janeiro, apresenta uma programação especial em homenagem à Semana Nacional dos Museus
Campanha do Ministério da Saúde incentiva a doação de leite materno
Ministério da Saúde lançou campanha para incentivar a doação de leite materno com slogan "Um pouquinho do que você doa, é tudo para quem precisa"
Governo decreta fim da Emergência Nacional para o vírus zika e microcefalia
Governo decretou fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional para o vírus zika e a microcefalia. Medida ocorre após queda na ocorrência dos casos do vírus no País.
Museu da Vida da Fiocruz, no Rio de Janeiro, apresenta uma programação especial em homenagem à Semana Nacional dos Museus
Fiocruz participa da Semana Nacional dos Museus com uma série de atividades
Ministério da Saúde lançou campanha para incentivar a doação de leite materno com slogan "Um pouquinho do que você doa, é tudo para quem precisa"
Campanha do Ministério da Saúde incentiva a doação de leite materno
Governo decretou fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional para o vírus zika e a microcefalia.  Medida ocorre após queda na ocorrência dos casos do vírus no País.
Governo decreta fim da Emergência Nacional para o vírus zika e microcefalia

Últimas imagens

No primeiro mutirão, foram realizados 3.649 atendimentos em 22 estados e Distrito Federal
No primeiro mutirão, foram realizados 3.649 atendimentos em 22 estados e Distrito Federal
Merval Filho/Ebserh
Glaucoma não tem cura, mas pode ser controlado com colírios ou cirurgia
Glaucoma não tem cura, mas pode ser controlado com colírios ou cirurgia
Divulgação/Governo do Espírito Santo
O laboratório público Bio-Manguinhos/Fiocruz produz cerca de 6 milhões de doses mensais da vacina
O laboratório público Bio-Manguinhos/Fiocruz produz cerca de 6 milhões de doses mensais da vacina
Divulgação/Ministério da Saúde
Percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente deve aumentar em no mínimo 17,8%
Percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente deve aumentar em no mínimo 17,8%
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital