Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 10 > Avaliação da saúde pública estabelece projetos para o próximo triênio

Saúde

Avaliação da saúde pública estabelece projetos para o próximo triênio

por Portal Brasil publicado: 26/10/2012 17h28 última modificação: 29/07/2014 09h02
Divulgação / Governo de Alagoas O programa possibilita que as entidades de saúde de referência assistencial participem do desenvolvimento do SUS

O programa possibilita que as entidades de saúde de referência assistencial participem do desenvolvimento do SUS

A ideia é discutir os avanços no aprendizado e pensar no aprimoramento do programa implantado na rede do SUS

Está sendo realizado pelo Ministério da Saúde, o balanço do 1º triênio (2009 – 2011) das atividades desenvolvidas no Sistema Único de Saúde (SUS)feitas por entidades de referência. O projetos do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS) visam adaptação e aprimoramento de tecnologias desenvolvidas pela rede pública, assim como a realização de pesquisas de interesse do SUS.

Na primeira etapa, o projeto envolveu 119 projetos alinhados com os objetivos do Ministério da Saúde. Estes projetos passaram por diversas áreas do SUS, desde a atenção primária até a alta complexidade, não deixando de considerar a qualificação e aprimoramento da gestão, inovação cientifica e tecnológica, além da capacitação dos profissionais e trabalhadores do SUS.

O levantamento preliminar revelou que os hospitais de excelência estão contribuindo para o avanço do SUS, com suas expertises.  “O programa tem um componente muito grande de formação de profissionais, tanto em cursos especialização como de aperfeiçoamento. No primeiro triênio, o número de profissionais do SUS capacitados chegou a 20 mil”, destacou Adail Rollo, diretor Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento.

A ideia é discutir os avanços no aprendizado e pensar no aprimoramento do programa para o 2º triênio (2012-2014), quando contemplará 116 projetos. Esta semana, a oficina de avaliação do 1º ciclo do programa foi realizada em Brasília pelo Departamento. 

Para obter informações sobre o triênio 2009/2011 do Proadi-SUS, o Ministério da Saúde disponibiliza, no mês de outubro, uma página na internet onde é possível saber a criação e gestão do programa, legislação e normas correlatas, além dos projetos que serão desenvolvidos no triênio 2012/2014.

Oficina de avaliação

Durante a oficina foi divulgada mostra de estandes dos principais projetos contemplados no Proadi, como exemplificou Adail Rollo. “Do ponto de vista de pesquisa e produção vários trabalhos tiveram prêmios internacionais de pesquisa, principalmente os produzidos pelo Hospital do Coração. São pesquisas que podem entrar na vida do SUS, como a dieta cardioprotetora, desenvolvida para pessoas que já sofreram infarto ou derrame ou que correm maior risco desses problemas”, disse.

Segundo Adail Rollo, outra pesquisa importante é na área de tratamento do infarto agudo de forma ampla, como protocolo que tem validação internacional e que é de baixo custo.

O projeto deve ser incorporado ao SOS Emergência. “Também foi evidenciada nesta avaliação a importância do atendimento a determinadas patologias, porque temos uma espera nacional muito grande no SUS, como transplante renal em crianças, transplantes de fígado em crianças e cirurgias de má formação congênita do coração em recém-nascidos. Os hospitais, tanto o Hospital Sírio Libanês como o Einstein, como o Hospital do Coração e o Samaritano começaram a partir de uma lista nacional de espera a realizar esses transplantes reduzindo a espera”, afirmou.

Como desdobramento da oficina de avaliação serão realizadas reuniões com cada um dos hospitais para discutir individualmente as contribuições e o andamento dos projetos. Em seguida, será produzido um relatório que, posteriormente, submetido ao Comitê Gestor do programa e as instâncias superiores de apreciação do SUS, como o Conselho Nacional de Saúde e a Comissão Intergestores Tripartite (CIT). A expectativa agora é fazer com que as avaliações ocorram todos os anos e não apenas no final de cada triênio.

Participaram da oficina representantes dos hospitais, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e representantes dos Conselho Nacional de Secretários Estaduais e Municipais de Saúde.

Avaliação

O processo avaliativo começou no mês de agosto de 2012. O relatório parcial tem como amostragem 69 projetos executados no período. Até o momento, o balanço é positivo no sentido de que os projetos mostraram contribuições importantes para o avanço dos estudos nas áreas de pesquisa clínica, avaliação de tecnologias e complexo industrial da saúde.

A avaliação dos projetos poderá trazer parâmetros que auxiliem a decisão sobre projetos futuros e permitam que eles sejam elaborados e executados com menores possibilidades de erros e, portanto, aumentando as chances de atingir os seus propósitos.

Transparência

A finalidade do novo espaço virtual é divulgar os trabalhos realizados e as entidades de saúde de reconhecida excelência no âmbito dos projetos de apoio ao Proadi-SUS no desenvolvimento, incorporação e transferência de novas tecnologias e experiências em gestão no SUS.

Também está em desenvolvimento o Siproadi-SUS, que é o sistema de tramitação digital e gestão de projetos. O objetivo é melhorar o controle e a eficiência no fluxo de informações e transparência no acompanhamento da execução físico-financeira dos projetos. Haverá capacitação ainda neste ano para manuseio da ferramenta.

Proadi-SUS

A Lei 12.101/2009 determina que entidades de saúde podem ter isenção de contribuições para a seguridade social, por meio de projetos que contribuam para o desenvolvimento institucional do SUS. Os hospitais de excelência apresentam os projetos ao Ministério da Saúde, que faz a análise e a aprovação. Em seguida, é celebrado um termo de ajuste entre as partes para o projeto ser desenvolvido com os recursos despendidos pela entidade de saúde, que não podem ser inferiores ao valor total das isenções usufruídas a que esta instituição tem direito em função do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social em Saúde (CEBAS).

 

Fonte:
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital