Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 10 > Oferta de medicação de uso domiciliar para beneficiários de plano de saúde é definida

Saúde

Oferta de medicação de uso domiciliar para beneficiários de plano de saúde é definida

por Portal Brasil publicado: 31/10/2012 14h48 última modificação: 29/07/2014 09h02
Governo de Pernambuco O oferecimento desta cobertura é facultativo, já que o artigo 10 da Lei 9656 permite a exclusão da oferta de medicação domiciliar pelos planos de saúde

O oferecimento desta cobertura é facultativo, já que o artigo 10 da Lei 9656 permite a exclusão da oferta de medicação domiciliar pelos planos de saúde

Medida faz parte do eixo Assistência Farmacêutica da Agenda Regulatória da Agência Nacional de Saúde Suplementar

 

O Diário Oficial da União desta quarta-feira (31) publicou a Resolução Normativa Nº 310, que estabelece princípios para a oferta de medicação de uso domiciliar para beneficiários de planos de saúde portadores de doenças crônicas.

A medida tem como objetivo reduzir o subtratamento das patologias de maior prevalência na população (diabetes, asma brônquica, doença pulmonar obstrutiva crônica -Dpoc-, hipertensão arterial, insuficiência coronariana e insuficiência cardíaca congestiva), bem como deixar claras as regras para que o beneficiário entenda de que forma se dará a oferta.

A oferta de medicação domiciliar é parte do eixo Assistência Farmacêutica da Agenda Regulatória da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A nova resolução ficou em consulta pública por 30 dias, no período entre 4 de setembro e 6 de outubro, e recebeu contribuições de toda a sociedade. A Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

O oferecimento desta cobertura é facultativo, já que o artigo 10 da Lei 9656 permite a exclusão da oferta de medicação domiciliar pelos planos de saúde. Além disso, como se trata de um contrato acessório, poderá ter custo para os beneficiários. 

Segundo o Diretor Presidente da ANS, Mauricio Ceschin, ao regulamentar esse tema, a Agência Nacional de Saúde Suplementar quer estabelecer critérios mínimos como primeiro passo regulatório para tratar a questão. "Trata-se de uma ação importante tanto para as operadoras quanto para os beneficiários, já que todos poderão ter acesso à continuidade do tratamento e redução de possibilidade de complicações”.

 

Medicamentos

Nos casos de câncer, a inclusão de novas medicações domiciliares já está sendo discutida no Congresso Nacional e, quando for publicada, se dará através de cobertura obrigatória no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde.Todos os medicamentos ministrados nos períodos de internação contam com cobertura obrigatória pelos planos de saúde. Já para os medicamentos administrados em ambiente ambulatorial, utilizados nos procedimentos contemplados no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da ANS, serão contemplados os medicamentos para quimioterapia oncológica ambulatorial, incluindo medicamentos para o controle de efeitos adversos relacionados ao tratamento. Terapia imunobiológica endovenosa, para tratamento de artrite reumatóide, artrite psoriásica, doença de Crohn e espondilite anquilosante também estão incluídas.

A ANS incentiva as operadoras de planos de saúde a oferecer a assistência farmacêutica. De acordo com a Agência, é uma norma que traz benefícios para todos: beneficiários, operadoras e sistema de saúde suplementar.

 

Fonte:
Agência Nacional de Saúde Suplementar

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes

Últimas imagens

Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Arquivo/Agência Brasil
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Arquivo/Ministério da Saúde

Governo digital