Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 11 > SOS Emergências promove a melhoria do atendimento nos serviços de urgência

Saúde

SOS Emergências promove a melhoria do atendimento nos serviços de urgência

por Portal Brasil publicado: 26/11/2012 14h46 última modificação: 29/07/2014 09h02

Estratégia visa ampliar a assistência e qualificar o atendimento nos principais prontos-socorros do País

Para comemorar o primeiro ano de implantação da estratégia de melhoria do atendimento de urgência e emergência à população que utiliza o Sistema Único de Saúde (SUS), o Ministério da Saúde lança campanha publicitária que destaca as principais ações dentro dos 12 hospitais que integram o SOS Emergências. A peça será veiculada nas principais emissoras de TV do País.

O SOS Emergências é uma iniciativa do governo federal em parceria com estados e municípios e os gestores hospitalares que visa promover o enfrentamento dos principais problemas dos 12 hospitais que integram a rede, qualificando a gestão, ampliando o acesso aos usuários em situações de urgência, e garantindo atendimento ágil e humanizado nos hospitais que atendem pelo SUS. A ação quer melhorar o atendimento nos serviços de urgência.

A iniciativa funciona de forma articulada com os demais serviços de urgência e emergência que compõem a Rede Saúde Toda Hora como o Samu, Unidades de Pronto Atendimento (Upas 24h), Salas de Estabilização, serviços da Atenção Básica e Melhor em Casa.

Em um ano de implantação foram disponibilizados 1.155 leitos, medida que contribuiu para diminuição de pacientes em macas nos corredores das emergências e na redução da taxa de ocupação das unidades. A iniciativa, que integra a Rede Saúde Toda Hora, vai alcançar, até 2014, os 40 maiores prontos-socorros brasileiros, abrangendo todos os 26 estados e o Distrito Federal. A estratégia tem como objetivo atuar de forma mais organizada e efetiva sobre a oferta da assistência nas grandes emergências do País.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que já visitou todos os hospitais que integram o SOS Emergências, afirma que, aos poucos, está sendo reorganizando o atendimento para desafogar essas emergências. “Estou satisfeito com os resultados já obtidos. Os desafios são muitos e estamos trabalhando para que a assistência seja garantida de forma adequada aos pacientes que dependem do SUS”.

Os 12 hospitais de grande porte que fazem parte da iniciativa estão localizados em Goiânia, Goiás; Ananindeua, no Pará; Recife, em Pernambuco; Fortaleza, no Ceará; Salvador, na Bahia; Brasília, Distrito Federal; São Paulo; Belo Horizonte, em Minas Gerais; Rio de Janeiro; e Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Todos os hospitais selecionados são referências regionais, possuem pronto-socorro e realizam grande número de internações e atendimentos ambulatoriais.

 

Medidas

Os recursos investidos totalizam R$ 116 milhões e deve saltar para R$ 470 milhões, até 2014. Desde a instalação do SOS Emergências, cada um dos hospitais recebe R$ 3,6 milhões por ano de custeio e R$ 3 milhões para reforma e\ou compra de equipamentos, além do pagamento diferenciado dos leitos de retaguarda.

O programa prevê capacitar os profissionais da saúde para melhorar e agilizar os serviços prestados à população, aumentar o número de novos leitos de retaguarda nessas unidades ou em hospitais parceiros e qualificar leitos de retaguarda já existentes, visando diminuir a superlotação da emergência. 

Medidas adotadas como o acolhimento e classificação de risco dos pacientes, gestão de leitos, monitoramento contínuo dos resultados possibilitam avançar no alcance dos objetivos do programa.

O ministério também desenvolve outras ações nesses hospitais como a qualificação dos profissionais que atuam nessas unidades, além da implantação do sistema de informatização da emergência e o de vídeo monitoramento para acompanhar o desempenho da unidade e o fluxo de pacientes na entrada da emergência de cada hospital.

 

Fonte:
Ministério da Saúde

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Aplicativo registra e acompanha as ações de combate ao Aedes aegypti
Aplicativo para celular permite a identificação das larvas do Aedes aegypti e registra as ações de combate ao mosquito nos prédios públicos. O sistema já registrou cerca de 1.500 focos em 1.481 vistorias
Atenção Básica recebe investimento de R$ 1,7 bilhão
Mais de mil municípios serão beneficiados, garantindo maior assistência à população
Transporte aéreo de órgãos para transplantes aumenta 35% em 2017
No primeiro trimestre de 2017, foram transportados 330 órgãos, 818 tecidos e 606 outros itens para transplantes - um aumento de 35% em relação ao primeiro trimestre do ano passado
Aplicativo para celular permite a identificação das larvas do Aedes aegypti e registra as ações de combate ao mosquito nos prédios públicos. O sistema já registrou cerca de 1.500 focos em 1.481 vistorias
Aplicativo registra e acompanha as ações de combate ao Aedes aegypti
Mais de mil municípios serão beneficiados, garantindo maior assistência à população
Atenção Básica recebe investimento de R$ 1,7 bilhão
No primeiro trimestre de 2017, foram transportados 330 órgãos, 818 tecidos e 606 outros itens para transplantes - um aumento de 35% em relação ao primeiro trimestre do ano passado
Transporte aéreo de órgãos para transplantes aumenta 35% em 2017

Últimas imagens

Organização alertou ainda que o comércio ilegal de tabaco está agravando o tabagismo
Organização alertou ainda que o comércio ilegal de tabaco está agravando o tabagismo
Arquivo/USP Imagens
Os preservativos são distribuídas pelo SUS gratuitamente em todo o País
Os preservativos são distribuídas pelo SUS gratuitamente em todo o País
Divulgação/Ministério da Saúde
O Soliqua é indicado para o tratamento de diabetes mellitus tipo 2 para melhorar o controle glicêmico
O Soliqua é indicado para o tratamento de diabetes mellitus tipo 2 para melhorar o controle glicêmico
Antonio Cruz/Agência Brasil
Ferramenta reduz custos, pois dá ao médico acesso ao histórico do paciente e evita exames ou consultas repetidas
Ferramenta reduz custos, pois dá ao médico acesso ao histórico do paciente e evita exames ou consultas repetidas
Foto: rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
Em 2017, até o momento, a Santa Casa de Colombo registrou cerca de 9,3 mil procedimentos
Em 2017, até o momento, a Santa Casa de Colombo registrou cerca de 9,3 mil procedimentos
João Senechal/Prefeitura de Colombo (PR)

Governo digital