Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 12 > Projeto de educação em saúde irá capacitar 2,5 mil profissionais

Saúde

Projeto de educação em saúde irá capacitar 2,5 mil profissionais

por Portal Brasil publicado: 03/12/2012 11h23 última modificação: 29/07/2014 09h02
MS Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e técnicos de enfermagem serão preparados e capacitados

Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e técnicos de enfermagem serão preparados e capacitados

Foco do treinamento será na área de Cardiologia, com ênfase nas emergências cardiovasculares

 

Com a meta de capacitar 2,5 mil profissionais de saúde, das cinco regiões do País, foi lançado o Projeto de Educação Permanente em Saúde para a Rede de Atenção às Urgências e Emergências. As ações terão início já em 2013 e serão realizadas em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).

Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e técnicos de enfermagem serão preparados e capacitados. São profissionais que atuam na Rede de Atenção às Urgências e Emergências, nas portas hospitalares prioritárias, do Sistema Único de Saúde (SUS) e em Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24h). Nesta primeira fase do projeto, o foco do treinamento será na área de Cardiologia, com ênfase nas emergências cardiovasculares. Nas outras etapas do projeto, o Ministério da Saúde estenderá a capacitação às demais áreas prioritárias da Rede de Urgência, que são Neurologia e Paciente Crítico ou Grave (medicina intensiva).

Para o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, espera-se como resultado do projeto padronizar o atendimento de emergência no Brasil. “Queremos melhorar o atendimento e consequentemente reduzir as taxas de morbidade e mortalidade de pacientes atendidos pelos profissionais que atuam nas portas de entrada hospitalares prioritárias e UPAs do País”, declarou o ministro.

Inicialmente, as turmas acontecerão nas capitais Salvador (BA), São Paulo e Rio de Janeiro. Serão aplicados os Treinamentos de Emergências Cardiovasculares nas modalidades Avançado (Teca), para médicos e enfermeiros, e Básico (Teca B), para fisioterapeutas e técnicos em enfermagem. O curso, que foi desenvolvido por especialistas da SBC, será presencial e utilizará metodologia ativa de aprendizado, por meio de simulação baseada em casos da realidade local dos alunos.

O Teca A terá 12 horas de duração e irá capacitar 1.742 profissionais entre médicos e enfermeiros, de 274 portas hospitalares e Upas, das cinco regiões do País. Serão 62 turmas. O Teca B irá contemplar 758 fisioterapeutas e técnicos de enfermagem de 274 urgências e emergências e Upas. Este grupo será dividido em 27 turmas. Todos os profissionais passarão por uma avaliação pré-curso online, uma avaliação pós-curso presencial, e serão certificados pela Sociedade Brasileira de Cardiologia.

 

Cenário

O Ministério da Saúde prevê investimento de R$ 234,4 milhões até 2014 em ações de prevenção e cuidado com a doença. Entre as ações está a incorporação de quatro novos medicamentos para diagnóstico, cuidado e prevenção de infarto. O Tecneplase e o Alteplase são usados para dissolução do coágulo que surge na artéria e provoca o infarto. Eles podem ser usados pelas equipes médicas do Samu, nas UPAs 24h e nos hospitais do SUS.  Tem ainda o Clopidrogel, que previne a formação de coágulos e diminui o risco de novos infartos, e o Troponina, teste para diagnóstico rápido do infarto.

Em 2010 foram registrados 79.668 infartos, sendo os homens as principais vítimas (47.017). No mesmo ano ocorreram 246.038 internações por doenças cardiovasculares no SUS. Em 2011 esse número chegou a 259.888. Dentre as doenças cardiovasculares, as isquemias cardíacas são as principais causas que levam a óbito, e, entre as isquemias, o infarto do miocárdio causa o maior número de óbitos.

O de Educação Permanente em Saúde foi apresentado, na última sexta-feira (30), pelo ministro Alexandre Padilha, no Rio de Janeiro.

 

Fonte:
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes

Últimas imagens

Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Arquivo/Agência Brasil
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Arquivo/Ministério da Saúde

Governo digital