Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2013 > 01 > Instituto de Traumatologia começa a realizar cirurgia de alongamento de mandíbula

Saúde

Instituto de Traumatologia começa a realizar cirurgia de alongamento de mandíbula

por Portal Brasil publicado: 29/01/2013 12h58 última modificação: 29/07/2014 09h19
Divulgação / Ministério da Saúde O tipo de cirurgia realizada consiste no alongamento ósseo de mandíbula, também chamado de distracção osteogênica

O tipo de cirurgia realizada consiste no alongamento ósseo de mandíbula, também chamado de distracção osteogênica

Novo tratamento será feito por especialistas em cirurgia crâniomaxilofacial

 

Crianças de cinco a 15 anos que possuem problemas congênitos de desenvolvimento de mandíbula vão poder realizar cirurgia no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into). O novo tratamento desenvolvido pelo Instituto é destinado aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) que são atendidos pelo Centro de Cirurgia Crâniomaxilofacial, especializado em doenças do crânio e da face. As cirurgias começam a ser realizadas a partir desta terça-feira (29).

O tipo de cirurgia realizada consiste no alongamento ósseo de mandíbula, também chamado de distracção osteogênica. Para o médico Ricardo Cruz, o procedimento é o mais indicado para correções de deformidades. “Existem outras alternativas de tratamentos, mas o alongamento mandibular é o mais moderno hoje e consideramos a melhor opção em pacientes jovens com anomalias congênitas ou adquiridas”, disse.

A cirurgia é indicada para os casos de anomalias congênitas de mandíbula, microssomia hemifacial (lado do rosto que nasce menor), síndromes de Pierre-Robin e Treacher-Collins e nas anomalias adquiridas em trauma e sem causa específica, como a anquilose temporo-mandibular (onde há rigidez na articulação que impede o crescimento da mandíbula).

A ação é coordenada pelo cirurgião Ricardo Cruz, chefe do Centro de Cirurgia Crâniomaxilofacial do Into, e contará com a participação dos especialistas convidados, Nivaldo Alonso, da Universidade de São Paulo e Renato Freitas, da Universidade do Paraná.

 

Cirurgia repadora

Essa técnica de cirurgia reparadora tem como objetivo atenuar o crescimento deficiente da mandíbula com o auxílio de um aparelho distractor, fabricado em titânio, que é afixado no maxilar do paciente para estimular o desenvolvimento de tecido ósseo no local. Os movimentos diários do aparelho permitem o alongamento do osso e a consequente melhora funcional e estética.

Os aparelhos (distractores) podem ser internos e externos. “O aparelho externo, apesar de parecer incômodo quando colocado no rosto, constitui-se em procedimento menos invasivo e que possibilita a alta do paciente em poucos dias”, explica Cruz. A recuperação depende de acompanhamento médico e fonoaudiológico por um período de cerca de quatro meses. Os objetivos a serem alcançados são a melhoria da mastigação e da respiração e a estética mais adequada.

 

Into

Referência no SUS, o Into realiza desde em 1989 o alongamento ósseo de pacientes com doenças no aparelho locomotor. Ao longo dos anos, o Serviço de Fixadores (Dismetria) do Instituto vem desenvolvendo técnicas de aplicação dos aparelhos de fixação externa para tornar os procedimentos cirúrgicos mais confortáveis para o paciente e com melhores resultados.

O Centro de Cirurgia Crâniomaxilofacial do Into atende pacientes com malformações congênitas e deformidades adquiridas em decorrência de traumatismos faciais e de tumores ósseos benignos. A cirurgia crâniomaxilofacial é uma área que reúne três especialidades médicas (cirurgia plástica, de cabeça e pescoço e a intervenção de otorrinolaringologia).

 

 

Fonte:
Ministério da Saúde
Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital