Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2013 > 01 > População pode contribuir com a elaboração de políticas sobre educação alimentar

Saúde

População pode contribuir com a elaboração de políticas sobre educação alimentar

por Portal Brasil publicado: 16/01/2013 11h41 última modificação: 29/07/2014 09h19
Divulgação / Pref. São José do Rio Preto - SP A educação alimentar e nutricional na rede socioassistencial ajuda na promoção de hábitos alimentares adequados e saudáveis da população

A educação alimentar e nutricional na rede socioassistencial ajuda na promoção de hábitos alimentares adequados e saudáveis da população

As contribuições serão organizadas em Cadernos de Educação Alimentar, até o dia 15 de fevereiro, e serão orientadores para políticas públicas sobre o tema

Foi prorrogada a consulta pública para a elaboração dos Cadernos de Educação Alimentar e Nutricional. O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS) decidiu que o material ficará disponível para contribuições até o dia 15 de fevereiro. O objetivo da consulta é garantir a participação de toda a sociedade para que os cadernos atendam às necessidades dos usuários da rede socioassistencial.

Segundo o ministério, a abordagem da educação alimentar e nutricional na rede socioassistencial é importante para promover a formação de hábitos alimentares adequados e saudáveis, valorizando e respeitando as especificidades culturais e regionais dos diferentes grupos e etnias, além de fortalecer vínculos familiares e sociais.      

O material tem como foco subsidiar a prática de educação alimentar e nutricional desenvolvida junto aos grupos de famílias do Serviço de Atendimento e Proteção Integral à Família e no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, bem como em outros serviços ofertados na rede socioassistencial.

Atualmente existem mais de 7.000 Centros de Referência de Assistência Social (Crras) em todo o País e, apesar de existirem algumas ações de educação alimentar e nutricional nestes espaços, o tema ainda é pouco explorado.

Marco de Referência em Educação Nutricional e Alimentar

Em novembro de 2012 foi lançado, pelos ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), da Saúde (MS) e da Educação (MEC), o Marco de Referência em Educação Nutricional e Alimentar, um documento oficial que irá nortear as políticas públicas sobre a alimentação adequada aos brasileiros.

O documento foi formulado com o objetivo de consolidar práticas e conceitos da educação alimentar, além de permitir uma atuação multidisciplinar sobre as políticas que promovem o direito a uma alimentação adequada, previsto na Constituição e em tratados internacionais.

O primeiro desdobramento do Marco de Referência foi a consolidação do Ideias na Mesa, espaço virtual criado para o debate sobre educação alimentar e nutricional. O documento também servirá de base para a revisão do Guia Alimentar da População Brasileira, publicado em 2006 pelo MDS e atualmente em fase de atualização.

Alimentação saudável

Uma alimentação saudável deve ser baseada em práticas alimentares que assumam a significação social e cultural dos alimentos como fundamento básico conceitual. Neste sentido é fundamental resgatar estas práticas bem como estimular a produção e o consumo de alimentos saudáveis regionais (como legumes, verduras e frutas), sempre levando em consideração os aspectos comportamentais e afetivos relacionados às práticas alimentares.

Fonte:

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria de Saúde do Estado do Maranhão
Portal Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Governo assume metas para conter crescimento da obesidade no País
Entre as medidas estão a redução do consumo de sucos artificiais e refrigerantes em, pelo menos, 30% e incentivar o consumo frutas e hortaliças regularmente
Cooperação incentivará vacinação nas escolas
Parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação visa incentivar vacinação nas escolas. Material informativo sobre HPV e Meningite C será distribuído nas unidades escolares
Ligações para Centro de Valorização da Vida serão gratuitas em todo o País
Acordo entre Ministério da Saúde e o centro permitirá que a organização faça atendimentos gratuitos por meio de um número único para todo o País
Entre as medidas estão a redução do consumo de sucos artificiais e refrigerantes em, pelo menos, 30% e incentivar o consumo frutas e hortaliças regularmente
Governo assume metas para conter crescimento da obesidade no País
Parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação visa incentivar vacinação nas escolas. Material informativo sobre HPV e Meningite C será distribuído nas unidades escolares
Cooperação incentivará vacinação nas escolas
Acordo entre Ministério da Saúde e o centro permitirá que a organização faça atendimentos gratuitos por meio de um número único para todo o País
Ligações para Centro de Valorização da Vida serão gratuitas em todo o País

Últimas imagens

Substâncias anabolizantes, abortivas ou que causam má-formação fetal também são enquadradas na lista
Substâncias anabolizantes, abortivas ou que causam má-formação fetal também são enquadradas na lista
Divulgação/EBC
Brasil atingiu Metas dos Objetivos do Milênio de combate à tuberculose com três anos de antecedência
Brasil atingiu Metas dos Objetivos do Milênio de combate à tuberculose com três anos de antecedência
Divulgação/Ministério da Saúde
Substância misoprostol faz parte da lista de substâncias sujeitas a controle especial da Anvisa
Substância misoprostol faz parte da lista de substâncias sujeitas a controle especial da Anvisa
Divulgação/Ministério da Saúde
Devido ao surto de febre amarela em alguns estados brasileiros, registro de vacinação contra a febre amarela passou a ser exigido dos viajantes
Devido ao surto de febre amarela em alguns estados brasileiros, registro de vacinação contra a febre amarela passou a ser exigido dos viajantes
Arquivo/Anvisa
Os alimentos da marca são comercializados pela internet por fabricante desconhecido
Os alimentos da marca são comercializados pela internet por fabricante desconhecido
Divulgação/Governo do Paraná

Governo digital