Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2013 > 01 > População pode contribuir com a elaboração de políticas sobre educação alimentar

Saúde

População pode contribuir com a elaboração de políticas sobre educação alimentar

por Portal Brasil publicado: 16/01/2013 11h41 última modificação: 29/07/2014 09h19
Divulgação / Pref. São José do Rio Preto - SP A educação alimentar e nutricional na rede socioassistencial ajuda na promoção de hábitos alimentares adequados e saudáveis da população

A educação alimentar e nutricional na rede socioassistencial ajuda na promoção de hábitos alimentares adequados e saudáveis da população

As contribuições serão organizadas em Cadernos de Educação Alimentar, até o dia 15 de fevereiro, e serão orientadores para políticas públicas sobre o tema

Foi prorrogada a consulta pública para a elaboração dos Cadernos de Educação Alimentar e Nutricional. O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS) decidiu que o material ficará disponível para contribuições até o dia 15 de fevereiro. O objetivo da consulta é garantir a participação de toda a sociedade para que os cadernos atendam às necessidades dos usuários da rede socioassistencial.

Segundo o ministério, a abordagem da educação alimentar e nutricional na rede socioassistencial é importante para promover a formação de hábitos alimentares adequados e saudáveis, valorizando e respeitando as especificidades culturais e regionais dos diferentes grupos e etnias, além de fortalecer vínculos familiares e sociais.      

O material tem como foco subsidiar a prática de educação alimentar e nutricional desenvolvida junto aos grupos de famílias do Serviço de Atendimento e Proteção Integral à Família e no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, bem como em outros serviços ofertados na rede socioassistencial.

Atualmente existem mais de 7.000 Centros de Referência de Assistência Social (Crras) em todo o País e, apesar de existirem algumas ações de educação alimentar e nutricional nestes espaços, o tema ainda é pouco explorado.

Marco de Referência em Educação Nutricional e Alimentar

Em novembro de 2012 foi lançado, pelos ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), da Saúde (MS) e da Educação (MEC), o Marco de Referência em Educação Nutricional e Alimentar, um documento oficial que irá nortear as políticas públicas sobre a alimentação adequada aos brasileiros.

O documento foi formulado com o objetivo de consolidar práticas e conceitos da educação alimentar, além de permitir uma atuação multidisciplinar sobre as políticas que promovem o direito a uma alimentação adequada, previsto na Constituição e em tratados internacionais.

O primeiro desdobramento do Marco de Referência foi a consolidação do Ideias na Mesa, espaço virtual criado para o debate sobre educação alimentar e nutricional. O documento também servirá de base para a revisão do Guia Alimentar da População Brasileira, publicado em 2006 pelo MDS e atualmente em fase de atualização.

Alimentação saudável

Uma alimentação saudável deve ser baseada em práticas alimentares que assumam a significação social e cultural dos alimentos como fundamento básico conceitual. Neste sentido é fundamental resgatar estas práticas bem como estimular a produção e o consumo de alimentos saudáveis regionais (como legumes, verduras e frutas), sempre levando em consideração os aspectos comportamentais e afetivos relacionados às práticas alimentares.

Fonte:

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria de Saúde do Estado do Maranhão
Portal Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes

Últimas imagens

Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Arquivo/Agência Brasil
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Arquivo/Ministério da Saúde

Governo digital