Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2013 > 01 > Comunidades ribeirinhas do Amazonas recebem unidade de saúde fluvial

Saúde

Comunidades ribeirinhas do Amazonas recebem unidade de saúde fluvial

por Portal Brasil publicado: 15/01/2013 16h23 última modificação: 29/07/2014 09h19
Divulgação / Pref. Corumbá - MS As populações ribeirinhas do Amazonas passam a contar com uma Unidade Básica de Saúde Fluvial

As populações ribeirinhas do Amazonas passam a contar com uma Unidade Básica de Saúde Fluvial

Cerca de 230 comunidades do Amazonas terão atendimentos de saúde por meio de unidades fluviais

Mais de 12 mil pessoas em 230 comunidades serão beneficiadas com Unidade Básica de Saúde Fluvial (UBSF). Na embarcação, serão atendidas as populações ribeirinhas que vivem às margens de seis rios: Madeira, Madeirinha, Autaz-Açu, Canumã, Abacaxis e Sucunduri, no Amazonas. A UBSF Igaraçu é a primeira construída com recursos federais e terá o reforço de uma equipe de Saúde da Família.

O Ministério da Saúde investiu mais de R$ 1,2 milhão na construção da embarcação e realizará repasses de até R$ 600 mil por ano para seu funcionamento. A embarcação Igaraçu, que significa “Canoa Grande” na língua tupi, prestará assistência de Atenção Básica às comunidades com dificuldade de acesso aos serviços de saúde.

Esta nova Unidade Básica de Saúde Fluvial, que tem 24 metros de 

comprimento, conta com consultórios para atendimento médico, de enfermagem e odontológico. Também possui farmácia, laboratório e salas de vacinas, curativo, coleta de material e esterilização. A equipe que vai realizar o atendimento é formada por médico, enfermeiro, técnico de enfermagem e de laboratório, dentista e auxiliar ou técnico de Saúde Bucal, além dos agentes comunitários de saúde que residem e desempenham suas atividades nas comunidades ribeirinhas.

O ministro Alexandre Padilha reafirmou que os resultados que esta UBSF traz para a saúde da comunidade são imediatos. “O mais importante é a prevenção e nessa embarcação podemos realizar exames laboratoriais que detectam precocemente várias doenças, aumentando a capacidade de tratamento e cura”, completou.

Ainda no sábado (12), também foi entregue a três equipes de Saúde da Família, do município de Borba, a certificação máxima do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ).

Saúde fluvial

Lançado em 2011, o Programa de Construção de Unidades Básicas de Saúde Fluviais, componente do RequalificaUBS, prevê recursos para aquisição de 64 embarcações. Os municípios contemplados enviaram projetos ao Ministério da Saúde, com a indicação do território e população a serem cobertos e a programação de viagens em cada ano, incluindo o itinerário das comunidades atendidas, dentre outros requisitos.

Atualmente, o Ministério da Saúde custeia a UBSF Abaré I, do município de Santarém (PA), que presta assistência a 15 mil pessoas de 72 comunidades ribeirinhas nas margens do rio Tapajós. Em breve, também serão credenciadas mais três UBSF para o custeio das atividades em Portel (PA), Gurupá (PA) e Cruzeiro do Sul (AC).

As embarcações também prestam assistência de qualidade às mulheres com ações de planejamento familiar, prevenção e controle dos cânceres de mama e de colo do útero, atendimento às gestantes e às crianças – principalmente até dois anos de idade – além do cuidado aos usuários com doenças crônicas, como hipertensão e diabetes, dentre outras ações.

 

Fonte:

Brasil sem Miséria

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes

Últimas imagens

Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Arquivo/Agência Brasil
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Arquivo/Ministério da Saúde

Governo digital