Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2013 > 03 > Rede pública de saúde recebe mais recursos para serviços de nefrologia

Saúde

Rede pública de saúde recebe mais recursos para serviços de nefrologia

por Portal Brasil publicado: 15/03/2013 16h56 última modificação: 29/07/2014 09h20
EBC Em 2012, foram realizadas mais de 12 milhões de sessões de hemodiálise na rede pública

Em 2012, foram realizadas mais de 12 milhões de sessões de hemodiálise na rede pública

Estima-se que 83,4 mil pacientes são mantidos em serviços de diálise na rede pública de saúde

 

Os estados brasileiros terão mais verbas para aprimorar os serviços de hemodiálise oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O Ministério da Saúde vai liberar recursos no valor de R$ 111,6 milhões. O incremento aumenta de R$ 2,3 bilhões, em 2012, para R$ 2,4 bi, em 2013. Por ano, é investido mais de R$ 2 bilhões na oferta de procedimentos de nefrologia pela rede pública de saúde.

Estima-se que 83,4 mil pacientes são mantidos em serviços de diálise na rede pública de saúde, sendo que 90% desse total fazem hemodiálise. O SUS oferece atenção integral aos usuários com problemas renais, incluindo a oferta de medicamentos e de exames complementares.

Segundo o secretário nacional de Atenção à Saúde, Helvécio Magalhães, o ministério conhece as dificuldades do setor, por isso, desde 2011, antecipa “o repasse de recursos para garantir a assistência prestada e está investindo para garantir a sustentabilidade dos hospitais que prestam este tipo de serviço”, afirma.

A Portaria 381, publicada nesta quinta-feira (14), no Diário Oficial da União (DOU), define que este recurso será financiado pelo Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (FAEC) e adicionado ao limite anual dos 26 estados e do Distrito Federal.

Em 2012, foram realizadas mais de 12 milhões de sessões de hemodiálise na rede pública, em 2011, foram 11 milhões de procedimentos. No ano passado, o ministério da Saúde habilitou 12 novos serviços para assistência em nefrologia, totalizando 686 em todo o país – 30% a mais que o total em 2010 (483).

 

Fatores de risco

A hipertensão arterial e o diabetes são os principais fatores de risco modificáveis para doenças crônicas não transmissíveis. Um levantamento do ministério da Saúde indica que 54% dos usuários que fazem tratamento de hemodiálise no SUS apresentam hipertensão ou diabetes como causas da doença renal crônica – caracterizada pela perda progressiva e irreversível da função dos rins.

O diabetes é a segunda causa de início em diálise em estágios mais avançados (doença renal crônica terminal). O diagnóstico da doença nem sempre resulta em complicação renal, se for adotado um estilo de vida saudável, sem fumo ou álcool e com a prática de atividade física regular, o paciente pode levar uma sem complicações.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento

Últimas imagens

Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Foto: Rodrigo Nunes/MS
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Arquivo/Ministério da Saúde
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Olival Santos/Governo de Alagoas
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Divulgação/Prefeitura de Itanhaém (SP)

Governo digital