Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2013 > 03 > Saúde divulga balanço de ações relacionadas aos planos de sáude

Saúde

Saúde divulga balanço de ações relacionadas aos planos de sáude

por Portal Brasil publicado: 15/03/2013 16h55 última modificação: 29/07/2014 09h20

Entre os avanços obtidos está a avaliação das operadoras de planos de saúde

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, apresentou nessa quinta-feira (14) um balanço das ações do ministério no setor de saúde suplementar para garantir a qualidade dos serviços e defender seus usuários. Durante a exposição, em reunião do Conselho Nacional de Saúde (CNS), em Brasília (DF), também pontuou a agenda regulatória do setor para o período este ano.

Entre os avanços obtidos com a regulação do setor, está a implementação da avaliação que monitora desde 2012 o cumprimento por parte das operadoras de planos de saúde do tempo máximo para marcação de consultas, exames e cirurgias. No ano passado, 364 planos de 54 operadoras tiveram suas vendas suspensas temporariamente por descumprirem a regra.

“É importante discutir a saúde suplementar porque estamos falando do direito de 62 milhões de brasileiros que possuem planos de saúde. Estamos em busca de medidas cada vez mais eficazes para garantir uma cobertura ampla, mais qualidade de atendimento, com menor tempo de espera. Este ano, além do tempo máximo para atendimento, vamos monitorar também as negativas de cobertura”, ressaltou Padilha.

Em relação à agenda regulatória, o ministro citou os sete eixos temáticos: a sustentabilidade do setor, a garantia de acesso e qualidade assistencial, o relacionamento entre operadoras e prestadores, o incentivo à concorrência, a garantia de acesso à informação, a integração da saúde suplementar com o Sistema Único de Saúde (SUS) e a governança regulatória.

O ministro respondeu às dúvidas dos conselheiros do CNS, que questionaram sobre desoneração do setor. “Não há qualquer discussão nesse sentido. Não existe nenhuma discussão ou movimentação do governo federal para reduzir a importância, a força e o papel do SUS”, reforçou.

 Medidas

Na última semana, foi publicada no Diário Oficial da União a Resolução Normativa que obriga as operadoras a justificarem por escrito, e em até 48h, as negativas de cobertura.Para tanto, o usuário deve solicitá-la. A justificativa deve indicar a cláusula contratual ou dispositivo legal para a negativa.

Há uma série de avanços. Em 2012, 78% das reclamações referentes à questão da cobertura dos planos de saúde foram resolvidas em até 10 dias úteis por mediação de conflito, pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), vinculada ao Ministério da Saúde. Houve ainda a aprovação de lei que proíbe a exigência de cheque-caução para atendimento de usuários de planos em urgências e emergências de pronto-socorros.

O ministro ainda lembrou o ressarcimento recorde ao SUS pelas operadoras de saúde, por serviços prestados na rede pública de saúde a seus usuários. Foram ressarcidos R$ 154,4 milhões nos últimos dois anos – 24% a mais que o total dos 10 anos anteriores somados.

“Nós entendemos que é necessário discutir a regulação da saúde suplementar no SUS, mas que isso não signifique transferência de recursos públicos para o setor privado da saúde. A vinda do ministro legitima e reforça o papel do Conselho Nacional de Saúde como esfera legítima para esse debate”, ponderou a presidente do CNS, Maria do Socorro de Souza.

Conselho Nacional de Saúde

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) é um órgão do Ministério da Saúde, de instância colegiada, deliberativa e de natureza permanente, que tem por finalidade atuar na formulação e controle da execução da política nacional de saúde, inclusive nos aspectos econômicos e financeiros, nas estratégias e na promoção do processo de controle social em toda a sua amplitude, no âmbito dos setores público e privado. 

Conheça a página da CNS e obtenha outras informações.

 

Fonte:

Ministério da Saúde

 

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital