Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2013 > 04 > Instituto de Traumatologia passa a oferecer nova cirurgia craniana à população

Saúde

Instituto de Traumatologia passa a oferecer nova cirurgia craniana à população

por Portal Brasil publicado: 09/04/2013 10h42 última modificação: 29/07/2014 09h21
Divulgação / EBC Into oferece novo serviço de captação de ossos

Into oferece novo serviço de captação de ossos

Banco de Tecidos do Instituto vai armazenar a calota craniana de pacientes de neurocirurgia para diminuir o risco de infecções e o tempo de cirurgia

 

Pacientes da neurocirurgia de dois hospitais públicos do Rio de Janeiro agora contam com o novo serviço de captação e armazenamento da calota craniana (osso da parte superior do crânio), oferecido pelo Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into). A cooperação técnica foi formalizada entre o Banco de Tecidos do Into e os Hospitais Miguel Couto e Federal de Ipanema.

Com o novo procedimento, técnicos do Banco de Tecidos do Into estão fazendo a captação e o armazenamento do material recolhido de pacientes durante as cirurgias realizadas nesses hospitais. O Instituto já realizou 35 captações desse tipo em cirurgias de urgência, sendo que seis foram devolvidas aos hospitais para que fosse feito o reimplante nos próprios pacientes.

 


Processo

A prática utilizada pelos neurocirurgiões era guardar a calota craniana no abdômen do paciente, o que levava ao aumento do risco de infecções. “Com a captação, poderemos diminuir o risco de infecções e o tempo de cirurgia, já que não há a necessidade de realizar uma cirurgia para a guarda da calota no abdômen, como antigamente”, afirma o ortopedista Rafael Prinz, chefe do Banco de Tecidos do Into.

O processo é realizado em área com rigoroso controle de qualidade, com ar totalmente filtrado para evitar contaminação por bactérias e vírus, onde são realizados testes e exames bacteriológicos, fúngicos, radiológicos e histopatológicos para minimizar os riscos para a saúde do receptor. Os resultados dos exames vão determinar a aprovação ou não para o transplante. Os tecidos são armazenados durante toda a sua estadia no banco a uma temperatura de 80 graus negativos, em ultracongeladores.

Após liberação para uso, os tecidos atendem a cirurgias realizadas no Into e em outros hospitais cadastrados no Sistema Nacional de Transplantes.

“O Into capta e armazena os tecidos ósseos seguindo todos os preceitos de controle de segurança. A calota craniana captada não pode ser utilizada em outro paciente. Esse material é devolvido ao paciente para que seja feito o reimplante”, explica o ortopedista.

 

Banco de Tecidos

O Banco de Tecidos do Into é responsável pela captação, processamento e distribuição de ossos, tendões e meniscos para utilização em cirurgias de transplante no Rio de Janeiro e em outros estados. Os casos clínicos mais frequentes são de perdas ósseas decorrentes de tumores, trocas de prótese e traumatismo, além de pacientes com deformidades congênitas e de coluna e com problemas odontológicos.

 

Into

Criado em 1994, o Into atende exclusivamente pacientes do SUS no tratamento de doenças e traumas ortopédicos, de média e alta complexidade.

O Into é uma instituição especializada em atendimento cirúrgico e não presta serviços de emergência. O paciente deve passar primeiro por uma unidade pública de saúde e, caso seja constatada a necessidade de uma cirurgia, será encaminhado para tratamento.

Para chegar às regiões não beneficiadas por serviços desse tipo, o Into criou o Programa Suporte, que realiza atendimentos em ortopedia, traumatologia e reabilitação pós-operatória no estado e cidade do paciente.

 

 

Fonte:
Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Governo assume metas para conter crescimento da obesidade no País
Entre as medidas estão a redução do consumo de sucos artificiais e refrigerantes em, pelo menos, 30% e incentivar o consumo frutas e hortaliças regularmente
Cooperação incentivará vacinação nas escolas
Parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação visa incentivar vacinação nas escolas. Material informativo sobre HPV e Meningite C será distribuído nas unidades escolares
Ligações para Centro de Valorização da Vida serão gratuitas em todo o País
Acordo entre Ministério da Saúde e o centro permitirá que a organização faça atendimentos gratuitos por meio de um número único para todo o País
Entre as medidas estão a redução do consumo de sucos artificiais e refrigerantes em, pelo menos, 30% e incentivar o consumo frutas e hortaliças regularmente
Governo assume metas para conter crescimento da obesidade no País
Parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação visa incentivar vacinação nas escolas. Material informativo sobre HPV e Meningite C será distribuído nas unidades escolares
Cooperação incentivará vacinação nas escolas
Acordo entre Ministério da Saúde e o centro permitirá que a organização faça atendimentos gratuitos por meio de um número único para todo o País
Ligações para Centro de Valorização da Vida serão gratuitas em todo o País

Últimas imagens

Devido ao surto de febre amarela em alguns estados brasileiros, registro de vacinação contra a febre amarela passou a ser exigido dos viajantes
Devido ao surto de febre amarela em alguns estados brasileiros, registro de vacinação contra a febre amarela passou a ser exigido dos viajantes
Arquivo/Anvisa
Os alimentos da marca são comercializados pela internet por fabricante desconhecido
Os alimentos da marca são comercializados pela internet por fabricante desconhecido
Divulgação/Governo do Paraná
Vacinação de rotina para febre amarela é ofertada em 19 estados, e de forma escalonada no RJ e ES
Vacinação de rotina para febre amarela é ofertada em 19 estados, e de forma escalonada no RJ e ES
Naftali Emídio/Pref. do Cabo de Santo Agostinho
Profissionais devem escolher município de atuação até quinta-feira (16)
Profissionais devem escolher município de atuação até quinta-feira (16)
Pei Fon/Prefeitura de Maceió
A Anvisa proibiu também a fabricação e distribuição do produto saneante Hipoclorito de sódio Clorunforte
A Anvisa proibiu também a fabricação e distribuição do produto saneante Hipoclorito de sódio Clorunforte
Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil

Governo digital