Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2013 > 04 > Pelotas (RS) recebe investimentos para rede de urgência e emergência

Saúde

Pelotas (RS) recebe investimentos para rede de urgência e emergência

por Portal Brasil publicado: 19/04/2013 16h07 última modificação: 29/07/2014 09h21

Recursos será investidos na ampliação de leitos de UTI e no reforço de enfermarias clínicas de retaguarda

Foi lançada, nessa quinta-feira (18), a Rede de Urgências e Emergência (RUE) de Pelotas (RS). Inicialmente, serão destinados R$ 9,3 milhões para a ampliação e melhoria dos serviços. O objetivo é potencializar a organização da rede e qualificar o atendimento à população usuária do Sistema Único de Saúde (SUS). 

Entre as áreas que serão beneficiadas na rede local estão as Unidades de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Universitário São Francisco de Paula e da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas. Além disso, o recurso será investido na melhoria da enfermaria clínica de retaguarda, que dá suporte ao atendimento das urgências e emergências.

A ação integra o esforço do Ministério da Saúde na estruturação da RUE, em todo o País. Em junho de 2012, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou, em Canoas (RS), recursos da ordem de R$ 316,6 milhões para o aprimoramento da rede de urgências e emergências de 88 municípios gaúchos até 2014. 

O valor foi incorporado ao limite financeiro de Média e Alta Complexidade do estado e dos municípios beneficiados, sendo R$ 260,2 milhões para a manutenção de ações e outros R$ 56,4 milhões em investimento na melhoria de infraestrutura.

No estado, os recursos destinados à RUE são investidos na melhoria de diversas ações, como o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), a habilitação e qualificação das Unidades de Pronto Atendimento (UPA), atenção domiciliar e custeio de salas de estabilização, além de leitos clínicos e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e Unidade de Terapia Intensiva Coronariana (UCO).

Rede de Atenção às Urgências

A organização da Rede de Atenção às Urgências tem o objetivo  de articular e integrar no todos os equipamentos de saúde, objetivando ampliar e qualificar o acesso humanizado e integral aos usuários em situação de urgência nos serviços de saúde de forma ágil e oportuna, e deve ser implementada gradativamente, em todo o território nacional, respeitando-se os critérios epidemiológicos e de densidade populacional. 

Composição:

Promoção, Prevenção e Vigilância à Saúde,  Atenção Básica em Saúde,   Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192), Sala de Estabilização, Força Nacional de Saúde do SUS,  Unidades de Pronto-Atendimento (UPA 24h), Atenção Hospitalar e Atenção Domiciliar.

Fonte:

Ministério da Saúde

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital