Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2013 > 04 > Santo André (SP) receberá, por ano, mais de R$ 6 milhões para combate ao crack

Saúde

Santo André (SP) receberá, por ano, mais de R$ 6 milhões para combate ao crack

por Portal Brasil publicado: 29/04/2013 16h52 última modificação: 29/07/2014 09h21

Os recursos para ações de enfrentamento à droga serão garantidos com a adesão do município ao programa Crack, é Possível Vencer

 

Santo André (SP) é o primeiro município brasileiro, fora as capitais estaduais, a aderir ao programa Crack, é Possível Vencer. A adesão garantirá ao município, até 2014, um Consultório na Rua, dez leitos de saúde mental no Hospital Geral, três Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) porte III, um CAPS infantil e um CAPS Álcool e Drogas 24 horas. Além disso, devem ser criados mais 15 leitos no Hospital Geral. Para essas ações, o Ministério da Saúde irá destinar mais R$ 4 milhões anuais a mais em recursos de custeio ao município, totalizando repasse anual de R$ 6,4 milhões. A adesão foi formalizada na última sexta-feira (26).

Com a adesão ao programa, o município amplia sua rede de atendimento, que já conta até então com um CAPS Álcool e Drogas, um CAPS infanto-juvenil e dois CAPS porte III. Somente essa estrutura totaliza um repasse anual de cerca de R$ 2,4 milhões a Santo André.

Durante visita ao município, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, inaugurou 17 novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Adulto, no Centro Hospitalar de Santo André.  Também foram entregues novos equipamentos, como camas, respiradores e monitores, que irão reequipar os 17 leitos de UTI Adulto hoje já existentes no hospital, disponibilizando à população um total de 34 leitos.

O Centro Hospitalar recebeu ainda duas Centrais de Monitorização – cada uma delas permite realizar o monitoramento de até 16 pacientes ao mesmo tempo. Atualmente, o hospital conta com 232 leitos voltados, principalmente para o atendimento de urgência e emergência. São cerca de 800 pacientes atendidos por dia.

 

Combate ao crack

Lançado em dezembro de 2011, o programa Crack, é Possível Vencer é um conjunto de ações do governo federal para enfrentar de forma intersetorial os problemas relacionados ao uso do crack e de outras drogas. Com investimento de R$ 4 bilhões da União e articulação com estados, Distrito Federal e municípios, além da participação da sociedade civil, a iniciativa tem o objetivo de aumentar a oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários de drogas, enfrentar o tráfico e as organizações criminosas e ampliar atividades de prevenção.

As ações estão estruturadas em três eixos: cuidado, autoridade e prevenção. O primeiro inclui ampliação e qualificação da rede de atenção à saúde voltada aos usuários. No eixo autoridade, o foco é a integração de inteligência e cooperação entre Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e polícias estaduais, a realização de policiamento ostensivo nos pontos de uso de drogas nas cidades, além da revitalização desses espaços. Já o eixo prevenção abrange ações nas escolas, nas comunidades e de comunicação com a população.

O programa Crack, é Possível Vencer é interministerial e conta com ações dos ministérios da Justiça, da Saúde e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, da Casa Civil e da Secretaria de Direitos Humanos. Já aderiram ao programa os estados de Alagoas, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Acre, Santa Catarina, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Piauí, Paraná, Ceará, São Paulo e o Distrito Federal.

 

Fonte:

Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes

Últimas imagens

Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Arquivo/Agência Brasil
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Arquivo/Ministério da Saúde

Governo digital