Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2013 > 12 > Saúde inclui medicamento para tratamento de linfoma na lista do SUS

Saúde

Saúde inclui medicamento para tratamento de linfoma na lista do SUS

Oncologia

Rituximabe está associado ao aumento de sobrevida de pacientes acometidos com a doença
por Portal Brasil publicado: 30/12/2013 10:29 última modificação: 30/12/2013 15:20

O Ministério da Saúde publicou, nesta segunda-feira (30), portaria no Diário Oficial da União (DOU) que autoriza a utilização do medicamento rituximabe para o tratamento de linfoma não Hodgkin de células B, folicular, CD20 positivo, em 1ª e 2ª linha no Sistema Único de Saúde (SUS).

Os resultados dos estudos primários revelam que o uso do rituximabe esteve associado, significativamente, em todos os estudos, ao aumento da probabilidade de sobrevida livre de eventos e de sobrevida global.

Linfoma não Hodgkin

Os linfomas não Hodgkin (LNH) são um grupo heterogêneo de tumores malignos, caracterizados por crescimento anormal das células do sistema linfático. De acordo com o REAL (Revised European-American Lymphoma), os LNH são classificados como indolentes, com curso clínico lento e progressivo por vários anos ou agressivos, de evolução rápida, os quais, se não tratados, podem ser fatais em alguns meses.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o número de casos de LNH praticamente duplicou nos últimos 25 anos, particularmente entre pessoas acima de 60 anos. Dados disponíveis no DATASUS revelam que no período de janeiro de 2008 a agosto de 2009, o LNH apresentou uma taxa de mortalidade de 10,49%, sendo responsável por 1.667 óbitos.

Expansão da assistência

O investimento do Ministério da Saúde na assistência aos pacientes com câncer foi de R$ 2,1 bilhões no ano passado. Com o aumento dos recursos, foi possível ampliar a rede de assistência à doença no Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, 277 hospitais realizam diagnóstico e tratamento de câncer em todo o Brasil, sendo que 11 deles foram habilitados neste ano.

Em dois anos, o número de sessões de radioterapia realizada na rede pública aumentou 17%, ultrapassando nove milhões de procedimentos em 2012. Esse índice deverá crescer ainda mais com a compra de 80 aceleradores lineares que serão entregues a 63 municípios. Os novos aparelhos de radioterapia, cujo investimento por parte do Ministério da Saúde foi de R$ 500 milhões, resultará em uma expansão de 25% na oferta do tratamento.

Também houve aumento no acesso à quimioterapia. Em 2012, o número de sessões realizadas foi 15% maior que o total dois anos atrás. Este avanço foi acompanhado da incorporação, a partir de 2011, de novos medicamentos no SUS para o tratamento de câncer, como o mesilato de imatinibe (contra leucemia), o rituximabe (linfomas) e trastuzumabe (mama). Somente neste último, o investimento anual na oferta do produto é de R$ 130 milhões por ano.

Na detecção precoce do câncer de mama, houve um aumento de 30% no número de exames preventivos realizados por mulheres que estão dentro da faixa etária prioritária (50 a 69 anos). Foram mais de 2,3 milhões de mamografias em 2012. Considerando todas as idades, o crescimento foi de 25%.

Fontes:
Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Diário Oficial da União
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil