Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2014 > 02 > Fórum debate situação das DSTs, aids e hepatites virais

Saúde

Fórum debate situação das DSTs, aids e hepatites virais

Sudeste

Esta é a quarta consulta pública que busca debater rumos da política de enfrentamento das doenças nas cinco regiões do País
por Portal Brasil publicado: 04/02/2014 17h27 última modificação: 30/07/2014 03h23

A ampliação do tratamento da aids, o quadro local das DSTs e das hepatites virais e a situação destas doenças na região Sudeste serão os principais assuntos debatidos no fórum que será realizado em Belo Horizonte (MG), nesta terça e quarta-feira (5).

O evento é promovido pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde e tem objetivo de discutir com a sociedade civil os rumos da política de enfrentamento das DST, aids e hepatites virais nas diferentes regiões do país.

"Os encontros regionais nos mostram as diferenças de cada localidade e ajudam a detectar quais as melhores condutas para a prevenção e combate à aids e hepatites virais específicas para cada região", explicou o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, na abertura do evento.

Além disso, o diretor ressaltou que o evento permite a reunião de “todos os atores da luta contra a aids, sejam da parte do governo federal ou da sociedade". Isso reforça, segundo o diretor, a atuação mútua entre o poder público e a comunidade no combate e prevenção às DST, aids e hepatites virais.

Esta é a quarta consulta pública que busca debater com a sociedade civil os rumos da política de enfrentamento destas doenças nas cinco regiões do País. Os outros três encontros foram realizados em Curitiba (Sul) e Belém (Norte), ambos em novembro de 2013, e em Goiânia (Centro-Oeste), em dezembro do ano passado.

Serão realizados mais dois eventos na região Nordeste, ainda no primeiro semestre de 2014. As consultas nessa região foram divididas por razões logísticas: a primeira reunindo os estados da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco e Paraíba, e a segunda voltada aos estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Maranhão e Piauí.

O fórum vai reunir pesquisadores, representantes de movimentos populares e integrantes das secretarias municipais e estaduais de saúde dos quatro estados da região: Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo.

Durante os dois dias, serão debatidos temas referentes à aids, como o novo protocolo de tratamento clínico de adultos, lançado no Dia Mundial de Luta Contra a Aids, no final do ano passado. O documento estende o uso de antirretrovirais aos adultos com testes positivos de HIV, mesmo que não apresentem comprometimento do sistema imunológico. 

Os pacientes terão acesso aos medicamentos em todo o Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, além do Brasil, apenas França e Estados Unidos ofertam medicamento antirretroviral aos pacientes soropositivos, independente do estágio da doença. 

Essa oferta com antirretrovirais é uma medida inovadora, com impacto na saúde individual que  garante a melhoria da qualidade de vida das pessoas infectadas pelo HIV e reduz a transmissão do vírus.

Também serão discutidas, durante o evento, as estratégias para intervenção entre populações vulneráveis (homens que fazem sexo com homens – HSH, gays, profissionais do sexo, travestis, mulheres transexuais, usuários de drogas, pessoas privadas de liberdade e pessoas em situação de rua) e a construção da agenda de trabalho com as ações a serem desenvolvidas de forma integrada à atenção básica.

Segundo o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, as consultas públicas são uma oportunidade de debater com os diversos atores do combate à epidemia, as ações de parcerias na área de prevenção e testagem.

“Com esses encontros promovemos a abertura ao diálogo democrático com todos que participam do enfrentamento às DST, aids e hepatites virais no País” explica. Segundo ele, o evento é uma oportunidade de debater, com toda a sociedade, temas como as inovações tecnológicas e as novas evidências científicas que vão pautar as ações do governo, levando em conta as realidades regionais.

Hepatites

Ações com a atenção básica para a ampliação de acesso ao diagnóstico e aos insumos de prevenção às hepatites virais também serão debatidas durante o fórum.

Serão traçadas, ainda, estratégias para simplificar o acesso ao tratamento das hepatites B e C, assim como o manejo das pessoas coinfectadas com HIV e aids, além de medidas visando à ampliação da prevenção, testagem e oferta da vacina da hepatite B entre populações vulneráveis.

Estão disponibilizados, na página do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, materiais que subsidiarão as consultas, como vídeo de apresentação da situação atual da epidemia DST/aids e das hepatites virais e as prioridades do Departamento, materiais de referência e um Instrumento com os principais pontos a serem discutidos presencialmente. Para mais informações: fcp2013@aids.gov.br.

A região Sudeste registrou, desde 1980, cerca de 380 mil casos de Aids, o que corresponde a pouco mais de 55% do total em todo o Brasil no mesmo período (687 mil).

Quanto à taxa de detecção, em 2012, a região apresentou 20,1 casos a cada 100 mil habitantes. A taxa nacional é de 20,2. Em 2012, o Estado de São Paulo registrou 8.341 casos de Aids; Rio de Janeiro (4.658); Minas Gerais (2.570); Espírito Santo (829). Os dados são do Boletim Epidemiológico HIV/Aids, publicado em dezembro de 2013.

Fonte:

Portal da Saúde 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

registrado em: , , , ,
Assunto(s): Saúde do homem, DST

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Mais Médicos: um serviço ao Brasil
Médico aposentado que aderiu ao programa do governo federal resolve servir em comunidades carentes.
Mais Médicos para todos
Inscrito no programa do governo federal, médico aposentado defende utilidade do Mais Médicos.
Mais Médicos contribui com importantes resultados na saúde da população brasileira
Renato Tasca, coordenador da Unidade Técnica Mais Médicos da OPAS/OMS, avalia o programa Mais Médicos: "Estou muito orgulhoso de estar apoiando o Brasil nessa tarefa desafiadora"
Médico aposentado que aderiu ao programa do governo federal resolve servir em comunidades carentes.
Mais Médicos: um serviço ao Brasil
Inscrito no programa do governo federal, médico aposentado defende utilidade do Mais Médicos.
Mais Médicos para todos
 Renato Tasca, coordenador da Unidade Técnica Mais Médicos da OPAS/OMS, avalia o programa Mais Médicos: "Estou muito orgulhoso de estar apoiando o Brasil nessa tarefa desafiadora"
Mais Médicos contribui com importantes resultados na saúde da população brasileira

Últimas imagens

Nordeste foi a região mais beneficiada, com 24 médicos. Sudeste receberá 20 profissionais, seguido do Centro-Oeste (7), Sul (7) e o Norte(2)
Nordeste foi a região mais beneficiada, com 24 médicos. Sudeste receberá 20 profissionais, seguido do Centro-Oeste (7), Sul (7) e o Norte(2)
Divulgação/Ministério da Saúde
Cadastro vai possibilitar a criação de políticas para ampliação do número de médicos especialistas, como pediatras
Cadastro vai possibilitar a criação de políticas para ampliação do número de médicos especialistas, como pediatras
Vila Velha-ES
Em 87,1% dos municípios havia atendimento de emergência (24 horas)
Em 87,1% dos municípios havia atendimento de emergência (24 horas)
Divulgação/Governo de SP
Ministro Arthur Chioro assinou um termo de compromisso para o enfrentamento da Hanseníase com 141 municípios matogrossense
Ministro Arthur Chioro assinou um termo de compromisso para o enfrentamento da Hanseníase com 141 municípios matogrossense
Rondon Vellozo/Ascom-MS
Vacina é segura e protege contra a paralisia infantil, que pode levar a morte ou deixar sequelas para o resto da vida
Vacina é segura e protege contra a paralisia infantil, que pode levar a morte ou deixar sequelas para o resto da vida
Gabriel Rosa/SMCS

Governo digital