Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2014 > 05 > Espera por transplante de córnea chega à zero no Brasil

Saúde

Espera por transplante de córnea chega à zero no Brasil

Transplante de órgãos

País é referência mundial no campo dos transplantes, com 95% dos procedimentos realizados pelo SUS
por Portal Brasil publicado: 26/05/2014 11h41 última modificação: 30/07/2014 03h19

O ceratocone é uma doença degenerativa responsável por deformar a córnea. Nos casos mais graves, pode até provocar cegueira. O estudante de 23 anos Thierry Izuta, por exemplo, chegou a perder 70% da visão do olho esquerdo. Para combater a doença, ele procurou o Hospital de Olhos do Paraná, onde recebeu uma nova córnea.

Thierry conta que o resultado do transplante foi um sucesso. “Depois que constataram realmente que eu tinha ceratocone e não tinha alternativa a não ser o transplante de córnea, eles me encaminharam para a central de transplantes e, em menos de uma semana, eu já estava fazendo o transplante, foi muito rápido. Desde a primeira consulta até hoje, porque ainda faço consulta lá, sempre fui muito bem atendido. A minha vida melhorou 100%, totalmente, melhorou e estou agora trabalhando, vou tirar a carteira de motorista”, celebra o estudante.

De acordo com o coordenador do Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde, Heder Borba, a espera pela chance de receber uma nova córnea praticamente não existe mais no SUS. “Como em vários estados do Brasil essa lista de córnea já tende a zero, já foi zerada, há uma queda também do número de pessoas na lista de espera. Hoje você tem Distrito Federal, São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Rio Grande do Norte e outros, esses estados já não tem mais lista de espera para transplante de córnea. A pessoa se inscreve na lista, quinze, vinte dias depois, que é um tempo de preparação para qualquer cirurgia, esse paciente já recebe a sua córnea de maneira gratuita pelo Sistema Único de Saúde”, afirma Heder.

O coordenador do Sistema Nacional de Transplantes destaca ainda que o Brasil é referência mundial no campo dos transplantes, com 95% dos procedimentos realizados pelo SUS. “De maneira geral, os órgãos sólidos, todos os transplantes têm crescido. No caso dos tecidos, que é córnea, pele, tecido ósseo também. Em relação ao número de transplantes, o Brasil é o maior sistema do mundo. Do pondo de vista do financiamento público e da integralidade do atendimento é o único País do mundo em que nesse volume de transplantes realiza tudo, desde o financiamento da cirurgia até a preparação e o fornecimento dos imunossupressores até o fim da vida do paciente é o Brasil”, completa.

Nos últimos três anos, o número de pessoas aguardando por um transplante de órgão no Brasil caiu 36%. Atualmente, o Brasil tem 13,4 doadores de órgãos por milhão de pessoas.

Fonte: 
Blog da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital