Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2014 > 06 > Pesquisa trata da atenção ao parto e nascimento no País

Saúde

Pesquisa trata da atenção ao parto e nascimento no País

Saúde da Mulher

Análise mostrou que 52% dos nascimentos ocorrem por cesariana, quando a taxa considerada aceitável pela OMS é de 15%
por Portal Brasil publicado: 03/06/2014 18h10 última modificação: 30/07/2014 03h18

Maior pesquisa já feita sobre gestações e nascimentos no Brasil, a “Nascer no Brasil”, coordenada pela Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz), com a parceria do Ministério da Saúde, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e de outras instituições de pesquisa e universidades, mostrou que 52% dos nascimentos ocorrem por cesariana. A taxa considerada aceitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e por evidências científicas como indicado para prevenir morbidade e mortalidade materna e neonatal é de 15%.

Segundo a coordenadora da pesquisa, Maria do Carmo Leal, o número excessivo de cesarianas expõe desnecessariamente as mulheres e os bebês aos riscos de efeitos adversos no parto e nascimento. “O índice elevado de cesarianas se deve a uma cultura arraigada no País de que o procedimento é a melhor maneira de se ter um filho. Em parte porque, no Brasil, o parto normal é realizado com muitas intervenções e dor”, esclarece.

O levantamento revelou que quase 70% das brasileiras deseja um parto normal no início da gravidez. Entretanto, poucas foram apoiadas em sua preferência pelo parto normal. Na rede privada, o percentual chega a 88% de cesáreas. O estudo foi realizado com 23.984 mulheres de 191 cidades do País que tiveram seus filhos em hospitais de médio e grande porte da rede pública e privada de saúde. Taxas de cesariana tão elevadas são preocupantes, pois aumentam os riscos de complicações para os recém-nascidos e para as mulheres. 

O modelo de atenção perinatal na saúde suplementar foi tema de diversos debates na ANS. Na última reunião da Câmara de Saúde Suplementar, em maio deste ano, a especialista em regulação da ANS, Jacqueline Torres, apresentou os resultados de sua tese de doutorado com dados da pesquisa Nascer no Brasil, defendida este ano na Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, sobre como reduzir a prevalência de cesarianas no setor.

O modelo de atenção ao parto estudado por Jacqueline obteve êxito na redução na taxa de cesáreas em um hospital privado do interior de São Paulo. Nesse hospital, enfermeiras obstétricas trabalham como responsáveis primárias pela realização de partos normais de baixo risco, o que, de acordo com evidências científicas, aumenta as chances de partos espontâneos e diminui as intervenções desnecessárias, sem comprometer a saúde das mulheres e dos bebês.

Para Jacqueline, as operadoras de planos de saúde, em parceria com os hospitais privados, devem investir na mudança do modelo de atenção ao parto, baseado em boas práticas e nas melhores evidências disponíveis. “Deveriam investir, por exemplo, na assistência ao parto normal por equipes compostas por enfermeiras obstétricas/obstetrizes e médicos, na auditoria das indicações de cesariana, com feedback às equipes e na oferta de ambiência adequada com suítes de pré-parto, parto e pós parto e recursos não farmacológicos para suporte ao trabalho de parto e alívio da dor. O envolvimento das lideranças locais, para a implantação das mudanças do modelo é fundamental. Estas são estratégias que têm se mostrado efetivas em experiências exitosas na saúde suplementar”, afirma.

Fonte: 

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital