Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2014 > 09 > Brasil e Dinamarca firmam cooperação na área de saúde

Saúde

Brasil e Dinamarca firmam cooperação na área de saúde

Parceria

Dois países poderão trabalhar em conjunto no enfrentamento das doenças crônicas e no intercâmbio de profissionais de saúde
publicado: 04/09/2014 17h11 última modificação: 04/09/2014 17h11

Foi assinado, nessa quarta-feira (3), entre os ministros da Saúde do Brasil, Arthur Chioro, e da Dinamarca, Nick Haekkerup, um memorando que visa enfrentar as doenças crônicas, como câncer e diabetes, e fazer o intercâmbio de boas práticas, de soluções inovadoras e de profissionais de saúde.

Além da comitiva do ministro da Saúde, empresários e cientistas dinamarqueses estão no Brasil para conhecer o Sistema Único de Saúde (SUS) e avaliar quais as ações que podem ser objetos de cooperações. Os dois países possuem desafios comuns para a sustentabilidade dos serviços públicos de saúde.

O documento assinado pelos ministros já prevê pelo menos cinco pontos de colaboração entre os dois países: boas práticas em políticas de saúde pública, soluções inovadoras para a sustentabilidade de sistemas públicos de saúde, intercâmbio de profissionais de saúde, pesquisadores e gestores de saúde, pesquisa e inovação em saúde e tecnologias da informação e da comunicação aplicadas à saúde. 

Para o ministro da Saúde do Brasil, Arthur Chioro, existem várias possibilidades de cooperação entre os dois países. O envelhecimento da população e seus impactos na saúde, com as doenças crônicas, é apontado por Chioro como um dos principais pontos de intercâmbio. “A expectativa de vida da população dinamarquesa cresceu muito, assim como vem ocorrendo com os brasileiros, e, por isso, eles lidam há mais tempo com os cuidados com diabetes, hipertensão e estratégias de cuidado domiciliar, e podem contribuir muito conosco nessa área” afirmou o ministro.

O ministro dinamarquês, Nick Haekkerup, disse ter ficado impressionado com os avanços do Brasil no setor da saúde nos últimos 20 anos. Na sua avaliação, os dois países podem aprender muito em uma atuação conjunta. “Embora a Dinamarca, ao contrário do Brasil, tenha uma população pequena, os dois países possuem desafios em comum, como o enfrentamento de doenças crônicas e o aperfeiçoamento dos sistemas públicos de saúde”, disse Nick Haekkerup.

Ele destacou como seu país pode contribuir com o Brasil. “Temos a área de telemedicina bastante avançada, tema que podemos compartilhar. Precisamos aprofundar as parcerias para que os progressos venham” ressaltou o ministro Nick Haekkerup.

A pesquisa científica é outra área em que os dois países podem trabalhar em parceria. O governo federal desenvolveu pelo Ministério da Ciência e Tecnologia com coordenação do Ministério da Saúde as plataformas de conhecimento que possibilitam o intercâmbio de profissionais e até mesmo o desenvolvimento de produtos e medicamentos.

“Essa é uma área que, para o SUS, é muito importante. Além da assistência à população, o Sistema Único de Saúde também representa insumos farmacêuticos, produção de vacinas, de equipamentos e de sistemas de informação, que são essenciais para melhorar a saúde da população brasileira” finalizou o ministro.

Fonte:

Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital