Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2014 > 12 > Mais Médicos promove humanização da atenção básica no SUS

Saúde

Mais Médicos promove humanização da atenção básica no SUS

Programa

Equipes de médicos, enfermeiros, técnicos e agentes de saúde fazem visitas aos domicílios de pacientes que precisam de atenção constante
por Portal Brasil publicado: 02/12/2014 17h07 última modificação: 02/12/2014 17h07
Foto:Renan Carvalhais/Gabinete Digital – PR Profissionais recebem atenção durante atendimento

Profissionais recebem atenção durante atendimento

O médico cubano Luiz Miguel Gonzales, 50 anos, atende no Posto de Saúde de Arapoanga, bairro de Planaltina (DF), desde março deste ano, quando veio ao País pelo programa Mais Médicos. Depois do trabalho na Venezuela e nas selvas da Guatemala, não perdeu a oportunidade de trabalhar no Brasil.

Apesar de estar longe dos familiares, com os quais fala pela internet e visita quando pode, os três anos que passará trabalhando no hemisfério sul são encarados como um grande desafio, e também, com espírito solidário.

Gonzales faz parte dos mais de 14 mil profissionais do programa Mais Médicos que integram a medicina de atenção básica no País. Eles estão vinculados principalmente às Unidades Básicas de Saúde, onde atendem a população com consultas marcadas.

Os profissionais também integram as equipes de Saúde da FamíliaFormadas por médicos, enfermeiros, técnicos e agentes de saúde, essas equipes fazem visitas aos domicílios de pacientes mais necessitados e que precisam de atenção constante.

“Atenção básica de qualidade”

Para Luiz, o Mais Médicos faz parte de uma mudança estrutural necessária ao Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo ele, o Brasil tem grande potencial para ter uma atenção básica de qualidade. Ele endossa o que indicadores apontam: 80% dos problemas de saúde podem ser resolvidos na atenção primária, no atendimento básico.

“A medicina primária [atenção básica] é a mãe das medicinas, porque com um bom trabalho na medicina primária, as instituições secundárias ficam mais descongestionadas. O maior trabalho da primária é para evitar as doenças, as complicações”, explica.

No posto de saúde, Luiz atende cerca de 50 pessoas por semana e, nas casas, cerca de duas famílias por semana. Para o cubano, que têm como uma das especialidades a medicina comunitária, as visitas são cruciais para a manutenção da saúde da população. São nestes momentos que o médico pode ter uma visão geral da saúde do paciente.

“Para evitar doenças tem que conhecer, esse é o papel principal da medicina primária. (…) É importante a relação médico-paciente. Onde o médico na consulta deixa que o paciente fale a vontade tudo o que quer. Isso faz com que o médico enriqueça a possibilidade de um bom diagnóstico”, afirma o médico.

Bons profissionais

O cubano considera os médicos brasileiros bons profissionais e diz gostar da população, com quem tem trato próximo. Para Luiz, a melhora na saúde pública precisa contar com atendimento humanizado e também com o empenho da população em querer mudar seus próprios quadros de saúde.

Na última visita à casa de dona Maria Mourato de Lima, Luiz e o agente de saúde, Massala Mulinari, foram recebidos com bolo, pão de queijo e suco. Era a segunda vez que o médico visitava a casa da senhora de 72 anos e seu marido, Benedito Firmino de Lima. Na primeira, o médico encontrou vários medicamentos vencidos na casa e percebeu que os torresmos na panela contribuíam para os problemas cardíacos do casal. Desde então, Dona Maria começou a caminhar diariamente e Benedito mudou a dieta.

Acolhimento

Gonzales diz que o jeito do brasileiro, que conhecia pelas novelas importadas, se revelou para muito parecido com o do cubano. Segundo o médico, a alegria da população é tão contagiante como a da ilha caribenha. Ele também relata que depois de tantos meses no Brasil, o idioma não é mais uma barreira, as dificuldades de comunicação agora são curiosidades, como algumas expressões. E justifica que período de acolhimento obrigatório antes de assumirem nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) contribuiu para isso.

Neste período, os médicos intercambistas passam quatro semanas tendo aulas sobre o SUS, língua portuguesa dentre outros. Só são considerados aptos aqueles que passam nas avaliações ao final do curso.

“O acolhimento com a equipe foi muito bom. Comecei com dúvida na barreira do idioma. Mas eu me preparei, fiz de tudo para me preparar em português, para ficar melhor e para fazer com que o paciente fique melhor comigo”.

Para Luiz, as pequenas dificuldades na comunicação são problemas menores frente aos grandes benefícios que um atendimento comunitário propicia.

“A medicina primária tem a vantagem que nós podemos ver o paciente mais do ponto de vista social. Atendemos o paciente aqui na consulta, conversamos com eles, conversamos de suas doenças, de seus problemas, mas, sobretudo, quando fazemos a relação do que falamos na consulta e quando vamos as suas casas e olhamos então seu entorno. Muitas vezes encontramos outros membros da família que têm doenças também”, avalia.

Foi o caso da última visita à dona Maria. Seu filho estava acamado e aproveitou para ser atendido por Luiz, que recomendou ida ao posto de saúde para receber soro. O médico acredita que ainda é preciso trabalhar a estrutura e a organização da saúde brasileira. Mas com a ajuda e experiências trazidas por médicos de outros países, é possível desenvolver outras ideias e projetos. Para Luiz, é preciso estabelecer salas para palestras educativas à comunidade, com informações sobre doenças, exercícios, destinação de lixo, higiene etc.

Expansão do atendimento

Segundo o último balanço divulgado, o Programa Mais Médicos atendeu 100% da demanda apontada pelas prefeituras, disponibilizando 14.462 profissionais para 3.785 municípios e para os 34 distritos indígenas, expandindo o atendimento em saúde para 50 milhões de brasileiros.

O governo federal também tem investido em infraestrutura de saúde, um dos eixos do Mais Médicos. São R$ 5,6 bilhões para o financiamento de construções, ampliações e reformas de Unidades Básicas de Saúde (UBS) e R$ 1,9 bilhão para construções e ampliações de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

A interiorização da formação médica também está em curso, e permitirá manter mais profissionais em suas regiões. Está prevista a criação, até 2017, de 11,5 mil novas vagas de graduação em medicina e 12,4 mil de residência médica, com o foco na valorização da Atenção Básica e outras áreas prioritárias para o SUS.

Fonte:

Blog do Planalto

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Redução é acompanhada do aumento das inciativas do Ministério da Saúde para intensificar os trabalhos de combate ao mosquito Aedes aegypti
Redução é acompanhada do aumento das inciativas do Ministério da Saúde para intensificar os trabalhos de combate ao mosquito Aedes aegypti
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Kits contêm 30 tipos de medicamentos e 18 tipos de insumos
Kits contêm 30 tipos de medicamentos e 18 tipos de insumos
Arquivo/EBC
Candidatos poderão escolher até quatro cidades de preferência e concorrer às vagas
Candidatos poderão escolher até quatro cidades de preferência e concorrer às vagas
Arquivo/EBC
Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)

Governo digital