Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2015 > 06 > Países do Mercosul se unem para adquirir medicamentos de alto custo

Saúde

Países do Mercosul se unem para adquirir medicamentos de alto custo

Assistência farmacêutica

Medida vai ajudar os governos a comprar produtos a preços mais baixos para ampliar o acesso da população aos tratamentos e trazer economia aos cofres públicos
por Portal Brasil publicado: 11/06/2015 18h11 última modificação: 11/06/2015 18h26
Foto: Rodrigo Nunes/MS Representantes da Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Paraguai,  Uruguai e Venezuela assim vários acordos na área da Saúde

Representantes da Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Paraguai, Uruguai e Venezuela assim vários acordos na área da Saúde

Os países do Mercosul vão criar uma plataforma de compra conjunta de medicamentos de alto custo. A iniciativa tem o objetivo de garantir o acesso a produtos que pesam no orçamento dos diversos países e ajudará a ampliar o acesso aos tratamentos e a sustentabilidade dos seus sistemas de saúde. O compromisso foi firmado durante a 37ª Reunião de Ministros da Saúde do Mercosul, realizada nesta quinta-feira (11), em Brasília (DF). Na ocasião, também foram assinados acordos sobe segurança no trânsito e redução do tabagismo, da obesidade infantil e do sódio nos alimentos, bem como a criação de um banco unificado de informação sobre doação de órgãos.

 “Com a plataforma vamos fortalecer o poder de negociação dos países, com uma compra pública e de maior escala para conseguirmos um menor preço”, justificou o ministro da Saúde, Arthur Chioro. A proposta, apresentada pelo Brasil, oferece alternativas para a compra regional de medicamentos que serão avaliadas dentro da realidade, prioridades e legislação de cada país. Um dos primeiros passos será elaborar a lista de medicamentos comuns que podem ser adquiridos de forma centralizada.

 O texto assinado pelos representantes dos países prevê, nos próximos 30 dias, que sejam avaliadas por um grupo de trabalho três propostas: 1 – Um dos países poderá realizar uma licitação, fazendo o registro de preço e permitindo que os demais comprem por meio de adesão a esse contrato. O Brasil se ofereceu para estudar como sediar esse mecanismo, 2 – A partir de um grupo de medicamentos prioritários, fazer a aquisição pelo fundo rotatório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS); 3 – Assinatura de um acordo internacional entre os países do Mercosul, que viabiliza dentro do bloco a compra conjunta de medicamentos estratégicos.

 O entendimento conjunto é que as três opções não são excludentes. Os países podem trabalhar mais de uma proposta. Ainda, serão avaliadas medidas para acesso a medicamentos genéricos e acordos bilaterais que possam facilitar a aquisição dos produtos de saúde, além de fortalecer o banco de registro de preços, no qual estão inseridos dados para o compartilhamento de informações sobre a compra de medicamentos em cada país.

 Brasil já utiliza modelo de compra centralizada de medicamentos

 O governo brasileiro já vem adotando o modelo de compra centralizada de produtos estratégicos como medida de economia dos recursos públicos. Desde 2010, o Brasil economizou R$ 1,3 bilhão. Os medicamentos adquiridos de forma centralizada são aqueles que representam maior impacto. Os gastos com medicamentos que são distribuídos à população pelo SUS foi de R$ 12,66 bilhões em 2014 – sem contar o investimento de estados e municípios. Desde valor, R$ 8,2 bilhões foram gastos em compra centralizada. Para 2015, considerando o orçamento aprovado, serão investidos R$ 14,05 bilhões, o que representa um crescimento de 11%.

 Redução de sódio

 Outro ponto importante da reunião foi o compromisso firmado entre o bloco para redução do sódio nos alimentos industrializados. Os países do Mercosul adotarão metas regionais com referência no documento elaborado por um consórcio de especialistas e OPAS (Saltsmart Consortium Consensus Statement), que traz sugestões para algumas categorias de produtos como pães, carnes e cerais.

 A partir de acordo com a indústria alimentícia, o Brasil já conseguiu retirar do mercado, desde 2011, 7,6 mil toneladas de sódio de produtos industrializados, como macarrão instantâneo, bisnaguinha, bolos, snacks, maioneses e biscoitos. A meta é que até 2020 as industrias do setor promovam a retirada voluntária de 28,5 mil toneladas de sal do mercado. O objetivo do Ministério da Saúde é chegar ao índice preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de 5g de sal por pessoa por dia. Atualmente, é de 12g/pessoa. Nas Américas, o consumo de sódio em geral está em 10g/dia por pessoa.

Transplantes de órgãos

 Também foi assinado um acordo para a integração do Sistema Nacional de Transplantes brasileiro ao banco de informações sobre órgãos do bloco, o Registro Mercosul de Doação e Transplante (Donasur). Com isso, será feito um esforço no sentido de incluir informações nacionais anteriores à criação do banco, em 2010, o que vai garantir uma análise mais ampla e completa da evolução dos transplantes no País e na região como um todo na última década.

 O Donasur é o registro oficial das atividades de doação e de transplante dos países do Mercosul – Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Venezuela, Bolívia (em processo de adesão) e Chile (associado) e outros três países da América do Sul (Colômbia, Equador e Peru). Os registros incluem três tipos de dados atualizados diretamente pelos países: número de doadores vivos, número de doadores falecidos e número de transplantes realizados. Em 2013, os dados de transplantes do Brasil passaram a alimentar o Donasur, a fim de registrar dados referentes aos anos de 2005 até o presente. Já foi efetuado o cadastramento de 442 hospitais transplantadores, de 685 programas de transplantes e de 1.782 registros de doadores vivos.

 “O objetivo inicial é a troca de informações e experiências, que servirão de base para acordos futuros, como a transferência de tecnologia”, afirma o ministro Arthur Chioro.

 Essa foi a última reunião em que o Brasil participou como presidente do Mercosul. A reunião contou com a presença dos ministros da Saúde da Argentina, Paraguai, Venezuela e Bolívia. Também participaram os vice-presidentes do Chile e do Uruguai, além da diretora da OPAS, Carissa Etienne.

Fonte:

Portal Brasil com informações do Ministério da Saúde

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Governo amplia vacinação contra HPV para meninos de 11 a 15 anos incompletos
Homens e mulheres transplantados, além de pacientes em radioterapia e quimioterapia, também serão imunizados
SUS oferece tratamento gratuito contra a asma
Sistema Único de Saúde disponibiliza, de forma gratuita, os medicamentos para tratamento contra a asma
Ministério da Saúde lança campanha para incentivar doação de sangue
Nesta quarta-feira (14), o Ministério da Saúde lançou a Campanha Nacional de Doação de Sangue 2017
Homens e mulheres transplantados, além de pacientes em radioterapia e quimioterapia, também serão imunizados
Governo amplia vacinação contra HPV para meninos de 11 a 15 anos incompletos
Sistema Único de Saúde disponibiliza, de forma gratuita, os medicamentos para tratamento contra a asma
SUS oferece tratamento gratuito contra a asma
Nesta quarta-feira (14), o Ministério da Saúde lançou a Campanha Nacional de Doação de Sangue 2017
Ministério da Saúde lança campanha para incentivar doação de sangue

Últimas imagens

Desde 2011, itens são conduzidos por cinco empresas aéreas que assinaram o termo
Desde 2011, itens são conduzidos por cinco empresas aéreas que assinaram o termo
Divulgação/Ministério dos Transportes
Acre possui 54 obras de serviços de saúde em execução no momento
Acre possui 54 obras de serviços de saúde em execução no momento
Divulgação/Governo do Acre
Pagamento dos recursos, incorporados ao Teto MAC do estado, será feito regularmente em parcelas mensais
Pagamento dos recursos, incorporados ao Teto MAC do estado, será feito regularmente em parcelas mensais
Divulgação/Ministério da Saúde
Os produtos são da categoria de alimentos de transição, utilizados como complemento ao leite materno
Os produtos são da categoria de alimentos de transição, utilizados como complemento ao leite materno
Foto: Sergio Amaral/MDS
Outros medicamentos estão na lista para uma próxima compra conjunta entre os países, como o Eculizumabe
Outros medicamentos estão na lista para uma próxima compra conjunta entre os países, como o Eculizumabe
J. Freitas/Agência Brasil

Governo digital