Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2015 > 06 > População teve acesso a 1,4 bi de consultas médicas pelo SUS em um ano

Saúde

População teve acesso a 1,4 bi de consultas médicas pelo SUS em um ano

Sistema público

Maior sistema público do mundo com mais de 100 milhões de habitantes ainda contabiliza 4,1 bilhões de tratamentos em ambulatórios e 11,5 milhões de internações no ano passado
por Portal Brasil publicado: 05/06/2015 15h12 última modificação: 05/06/2015 18h02

Brasil é o único país do mundo com mais de 100 milhões de habitantes que tem um sistema de saúde público e gratuito. Somente em 2014, o sistema contabilizou 4,1 bilhões de tratamentos ambulatoriais, 1,4 bilhão de consultas médicas e 11,5 milhões de internações. No ano passado, o total de recursos investidos em ações e serviços públicos de saúde foi de R$ 92,2 bilhões e este ano será R$ 98,4 bilhões. Os valores financiam programas, como Saúde da Família, que hoje atinge a 112 milhões de habitantes, ou seja, mais da metade da população brasileira (56%).

A extensão territorial e a diversidade racial e sociocultural da população brasileira são fatores que dão a dimensão do Sistema Único de Saúde. O público-alvo do SUS são os mais de 200 milhões de brasileiros, que fazem uso da rede em todos os níveis: quando se vacina no posto de saúde, quando solicita atendimento do SAMU, ou mesmo o de alto custo, como tratamento para o câncer. No ano passado, por exemplo, foram realizados 19 milhões de procedimentos oncológicos – sendo 3,1 milhões de quimioterapias.

Grandes números do SUS

Assim como no atendimento básico, o SUS investe em tecnologia para fazer procedimentos de alta complexidade, como a realização de transplantes. Atualmente, 95% dos procedimentos são realizados pelo SUS. A rede brasileira conta com 27 Centrais Estaduais de Transplantes (em todos os estados e no Distrito Federal), além de Câmaras Técnicas Nacionais, 510 Centros de Transplantes, 1.113 equipes de Transplantes e 70 Organizações de Procura de Órgãos (OPOs). De acordo com dados de 2013, foram realizados 23.457 procedimentos em 2013.

O Brasil realiza transplantes de coração, córnea, rim, pâncreas, pulmão, fígado, pele, ossos e medula óssea e deverá fazer, em breve, transplantes de vários órgãos abdominais ao mesmo tempo (multivisceral), por meio de acordo firmado com o governo da Argentina.

Na área de prevenção, o País atua tanto no combate a enfermidades comuns em países subdesenvolvidos (ou típicas dos trópicos) como a hanseníase, tuberculose e dengue, como contra doenças que preocupam países ricos a exemplo da obesidade, hipertensão e diabetes. Em 2012, o País atingiu antecipadamente as metas dos Objetivos do Milênio (ODM) para 2015 de redução pela metade das taxas de incidência, prevalência e mortalidade por tuberculose. Para a redução de casos e tratamento da tuberculose, o governo federal investiu R$ 16,2 milhões em 2013. Nos últimos 10 anos, houve redução de 19,3% do coeficiente de incidência, passando de 41,5 por 100 mil habitantes (2005) para 33,5 por 100 mil habitantes (2014). Também nos últimos dez anos, a mortalidade caiu 20,7%.

Uma das armas para conseguir diagnosticar e iniciar o tratamento mais rapidamente foi a introdução, em 2012, do teste Xpert MTB/Rif. Esse teste utiliza técnicas de biologia molecular para identificar o DNA da microbactéria, permitindo o diagnóstico em 2 horas. Enquanto o teste tradicional pode levar 60 dias para ficar pronto. Entre julho e dezembro de 2014, mais de 50 mil testes foram realizados.

Incorporação de novos medicamentos

Para o combate às doenças crônicas não transmissíveis, nas quais estão inseridos o câncer, obesidade, diabetes e hipertensão, o SUS vai além do atendimento médico em postos de saúde e hospitais. Desde fevereiro de 2011, são entregues, gratuitamente, medicamentos contra hipertensão e diabetes para que os pacientes possam manter o tratamento, sem que pese no orçamento familiar. Em abril deste ano, 2,4 milhões de pacientes pegaram medicamentos gratuitos para a diabetes e 6 milhões solicitaram para hipertensão.

De 2011 a 2014, o Ministério da Saúde, a partir de acordo com Associação das Indústrias da Alimentação (Abia), retirou 7.652 toneladas de sódio dos produtos alimentícios no Brasil. O excesso de sódio na alimentação altera a pressão arterial. A hipertensão pode levar a complicações como AVC, infarto ou doença renal crônica.

Um paciente com sintomas de AVC ou infarto, ao ser atendido pelas equipes médicas do SAMU 193 ou nas emergências públicas, pode ter a vida salva por dois medicamentos incorporados há quatro anos no SUS: o Tenecteplase e o Alteplase. Eles ajudam a reduzir as complicações e a mortalidade prematura, dissolvendo o coágulo que surge na artéria.

SUS oferta 810 medicamentos

Esses dois produtos são o resultado da política atual do Ministério da Saúde de buscar avanços farmacêuticos, com comprovação científica, para oferecer à população. O SUS fomenta o mercado farmacêutico estimulando a pesquisa científica. De 2012 a 2013, foram incorporados pelo SUS 111 novos produtos. Entre eles, o Fingolimode, para esclerose múltipla; Risperidona, para tratar os sintomas de autismo como irritação e agressividade; e a Talidomida, para síndrome mielodisplástica – apresenta baixa contagem de glóbulos brancos, vermelhos e plaquetas. Atualmente, o SUS oferta 810 medicamentos.

Em 2014, a população passou a contar com mais uma arma contra o câncer. A vacina contra o vírus HPV para meninas de 11 a 13 anos – este ano ampliou para garotas de 9 a 11 anos – poderá permitir que o Brasil tenha a primeira geração de mulheres livres do câncer do colo do útero, uma vez que esse vírus é a principal causa da doença. Além da compra do estoque de vacinas e toda a estratégia de distribuição das doses, que contou inclusive com escolas, o Ministério também investiu na indústria do setor. Está prevista a construção de uma fábrica para a produção da vacina. Um recurso total de R$ 300 milhões com parceria do Estado de São Paulo.

Fonte:

Portal Brasil

 

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital