Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2015 > 07 > Diabetes atinge 9 milhões de brasileiros

Saúde

Diabetes atinge 9 milhões de brasileiros

Pesquisa

Dados da PNS alertam a população para essa doença silenciosa. Para quem tem o diabetes, o Ministério da Saúde fornece de graça seis tipos de medicamentos
por Portal Brasil publicado: 01/07/2015 12h58 última modificação: 08/07/2015 11h16

A Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com o IBGE, mostra que o diabetes atinge 9 milhões de brasileiros – o que corresponde a 6,2% da população adulta. As mulheres (7%) apresentaram maior proporção da doença do que os homens (5,4%) – 5,4 milhões de mulheres contra 3,6 milhões de homens. Os percentuais de prevalência da doença por faixa etária são: 0,6% entre 18 a 29 anos; 5% de 30 a 59 anos; 14,5% entre 60 e 64 anos e 19,9% entre 65 e 74 anos. Para aqueles que tinham 75 anos ou mais de idade, o percentual foi de 19,6%.

Para tratar o diabetes, o Ministério da Saúde oferece medicamentos de graça pelo programa Farmácia Popular. São seis medicamentos financiados pelo Ministério da Saúde e liberados nas farmácias credenciadas. Desde fevereiro de 2011, início da gratuidade para os medicamentos do diabetes no farmácia popular, 8,3 milhões de pessoas retiraram o remédio gratuitamente.

O paciente pode retirar o produto em qualquer um dos 34,5 mil estabelecimentos do programa, sendo 532 da rede própria do SUS e 33,9 mil farmácias particulares credenciadas. Para retirar os remédios, basta apresentar um documento de identidade com foto, CPF e receita médica dentro do prazo de validade, que são 120 dias. A receita pode ser emitida tanto por um profissional do SUS quanto por um médico que atende em hospitais ou clínicas privadas.

Sobre a doença

O diabetes é uma doença crônica metabólica caracterizada pelo aumento da glicose no sangue. O distúrbio acontece porque o pâncreas não é capaz de produzir a insulina em quantidade suficiente para suprir as necessidades do organismo. A insulina promove a redução da glicemia ao permitir que o açúcar que está presente no sangue possa penetrar as células, para ser utilizado como fonte de energia.

Se não tratado, o diabetes sobre causar insuficiência renal, amputação de membros, cegueira, doenças cardiovasculares, como AVC (derrame), e infarto.

Luiz Eduardo Monteiro, 58 anos, teve o diagnóstico de diabetes aos 28 anos. “Eu era bem gordo, pesava quase 120 quilos, e comecei a emagrecer de uma hora para outra. Em um mês perdi 47 quilos. Fui ao médico, fiz os exames e descobri a doença. A partir daquele momento comecei a tomar insulina e travar minha eterna briga com a taxa de glicose”, disse. Depois do diagnóstico, o servidor público teve que mudar os hábitos. “Além dos medicamentos, faço uma dieta e evito coisas que contêm muito açúcar, como balas e doces. Mas é possível comer de tudo, com moderação”, conta.

Após 30 anos convivendo com a doença, Luiz Eduardo já teve algumas complicações consequentes da diabetes. “Tive alguns sangramentos nas vistas e perdi a visão de um olho em um procedimento. A pressão e o coração também sofreram, fiz três pontes de safena”, relata.

Existem alguns tipos mais comuns de diabetes. O tipo 1 é conhecido também como insulinodependente. Estes pacientes necessitam de aplicação de injeções diárias de insulina, pois o seu corpo já não produz mais insulina ou a produção é insuficiente.

No diabetes tipo 2, que é a do Luiz Eduardo, o organismo produz insulina normalmente, porém o corpo se torna resistente à ação do hormônio e as taxas de açúcar no sangue se elevam. Esse tipo da doença atinge aproximadamente 90% dos diabéticos e é um mal silencioso.

Existe também o diabetes gestacional, em que as taxas de glicose do sangue durante a gravidez são elevadas, principalmente quando há um aumento efetivo de peso, mas os níveis de glicose voltam ao normal após o parto. É recomendado que mulheres que tiveram casos de diabetes gestacional façam controle das taxas nos anos posteriores à gravidez.

Para controlar os níveis glicêmicos é recomendado praticar exercícios físicos regularmente e com orientação médica. Hidroginástica, caminhada, corrida e natação também ajudam a aliviar situações de estresse.

Pesquisa

A PNS é a primeira pesquisa no Brasil que também contará com coleta de sangue e urina, aferição de medidas antropométricas e medição da pressão arterial. Cerca de 16 mil pessoas (sorteadas entre os entrevistados) deverão ser submetidas aos exames.

Fonte:

Portal Brasil com informações do Ministério da Saúde e Blog da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital