Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2015 > 07 > Universidade Federal do Ceará estuda relação do HPV com o câncer de mama

Saúde

Universidade Federal do Ceará estuda relação do HPV com o câncer de mama

Pesquisa

Foi encontrada presença do vírus em 59% das amostras de tecido mamário com câncer. Resultado reforça a importância da vacina oferecida pelo SUS
por Portal Brasil publicado: 29/07/2015 17h20 última modificação: 29/07/2015 19h04
Rodrigo Nunes/MS Vacina contra HPV é disponibilizada gratuitamente pelo SUS para meninas de 9 a 11 anos

Vacina contra HPV é disponibilizada gratuitamente pelo SUS para meninas de 9 a 11 anos

Uma equipe multidisciplinar formada por médicos, biólogos, bioquímicos e estudantes de medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC) detectou a presença de DNA do Papilomavírus Humano (HPV) em 59% das 71 amostras de tecido mamário com câncer analisadas. O HPV, muito associado ao câncer de colo de útero, tem sido detectado em cânceres de outros órgãos como pele, boca, faringe, laringe, esôfago, pulmão, cólon, reto e ovários. Cientistas internacionais demonstraram a presença do DNA do HPV em grande número de cânceres da mama.

A descoberta reforça a importância da vacina contra o vírus que é disponibilizada atualmente para meninas de 9 a 11 anos. Em 2015, já foram vacinas 2,37 milhões de meninas dessa faixa etária. O número representa 48% do público-alvo, formado por 4,9 milhões de pré-adolescentes.

“Se, realmente, o HPV tiver, também, um papel importante na gênese do câncer mamário, se poderia esperar, dentro de 10-15 anos, uma significativa queda nas estatísticas de casos positivos para o câncer mamário – em razão justamente da vacinação”, comenta José Roosevelt Cavalcante, médico da Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC), autor do trabalho.

A vacina ofertada gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde protege contra os subtipos 16 e 18 que são responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo do útero em todo mundo e os subtipos 6 e 11 por 90% das verrugas anogenitais. A vacina contra HPV tem eficácia comprovada para proteger mulheres que ainda não iniciaram a vida sexual e, por isso, não tiveram nenhum contato com o vírus.

No ano passado, 5 milhões de meninas de 11 a 13 anos tomaram a primeira dose em 2014, o que corresponde a 101,5% do público-alvo. Sobre a segunda dose, 3,1 milhões de meninas de 11 a 14 anos deram seguimento ao esquema vacinal, o que corresponde a 64% da cobertura.  

Pesquisa da UFC

As amostras analisadas no Ceará provêm de biópsias mamárias, enquanto as amostras de mamas normais, que são os casos-controle, são oriundas de mamoplastias redutoras estéticas. A faixa etária das mulheres é de 27 a 97 anos (média = 55,8), para os casos de carcinoma e de 24-84 anos (média = 43,2) para os casos de mamas normais. Serão, ao todo, 212 amostras analisadas ao final do estudo.

O câncer de mama é o que mais mata no Brasil. Entre os anos 2003 e 2013, segundo o Atlas de Mortalidade por Câncer no Brasil, publicação do Ministério da Saúde e do Instituto Nacional do Câncer (Inca), mais de 130 mil pessoas tiveram a morte causada por ele.

Esse estudo, que tem a MEAC como Centro de Referência, representa, portanto, um grande avanço na orientação da linha de investigação das causas de câncer de mama em nível mundial. 

A iniciativa foi desenvolvida durante um ano. “Já encontramos a associação. A próxima etapa da nossa investigação é a identificação do tipo de HPV presente, se o 16, o 18 ou outro menos comum”, explica Roosevelt.

Reconhecimento internacional

O trabalho foi um dos quatro selecionados entre 276 inscritos para a 18ª edição do Congresso Brasileiro de Mastologia, realizado de 4 a 6 de junho de 2015, em Curitiba (PR). Além da MEAC, estão envolvidos na pesquisa o Departamento de Patologia e Medicina Legal e o Laboratório de Microbactérias da UFC e o Laboratório Biopse, que também participou, cedendo material de mamas saudáveis para a análise.

Esquema vacinal

Para receber a dose, basta apresentar o cartão de vacinação e o documento de identificação. Cada adolescente deverá tomar três doses para completar a proteção. A segunda deve ser tomada seis meses depois, e a terceira, cinco anos após a primeira dose. A partir de 2016, serão vacinadas as meninas de 9 anos. 

As meninas de 11 a 13 anos que só tomaram a primeira dose no ano passado também podem aproveitar a oportunidade de se prevenir e procurar um posto de saúde ou falar com a coordenação da escola para dar prosseguimento ao esquema vacinal. Isso também vale para as meninas que tomaram a primeira dose aos 13 anos e já completaram 14. É importante ressaltar que a proteção só é garantida com a aplicação das três doses.

Para as mulheres que vivem com HIV, o esquema vacinal também conta com três doses, mas com intervalos diferentes. A segunda e a terceira doses serão aplicadas dois e seis meses após a primeira. Nesse caso, elas precisarão apresentar a prescrição médica.

 Dados da pesquisa desenvolvida pela UFC sobre vírus e doença e números da vacinação contra o HPV

Fontes
Ministério da Saúde e Ebserh

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Governo lança campanha de combate a Aids no Carnaval
Governo lança campanha de combate a Aids no Carnaval foi lançada em Salvador/BA. Neste ano serão distribuídos 100 milhões de preservativos
Embrapa faz parceria com outros países no combate à Aids
Trabalho conjunto usa soja geneticamente modificada para produzir uma proteína que dificulta o desenvolvimento do vírus
Ministério da Saúde destina novos equipamentos de radioterapia para tratamento do câncer
Pesquisa do Instituto Nacional do Câncer (Inca) aponta mais de 600 mil novos casos da doença em 2018. Para auxiliar no tratamento, governo anunciou nesta sexta-feira (2) a entrega de novos equipamentos de radioterapia para hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS)
Governo lança campanha de combate a Aids no Carnaval foi lançada em Salvador/BA. Neste ano serão distribuídos 100 milhões de preservativos
Governo lança campanha de combate a Aids no Carnaval
Trabalho conjunto usa soja geneticamente modificada para produzir uma proteína que dificulta o desenvolvimento do vírus
Embrapa faz parceria com outros países no combate à Aids
Pesquisa do Instituto Nacional do Câncer (Inca) aponta mais de 600 mil novos casos da doença em 2018. Para auxiliar no tratamento, governo anunciou nesta sexta-feira (2) a entrega de novos equipamentos de radioterapia para hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS)
Ministério da Saúde destina novos equipamentos de radioterapia para tratamento do câncer

Governo digital