Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2016 > 01 > Maranhão lança plano Estadual de combate ao Aedes aegypti

Saúde

Maranhão lança plano Estadual de combate ao Aedes aegypti

Mobilização

O objetivo é reduzir a infestação do mosquito no Estado, além de fortalecer a rede de assistência à saúde para o enfrentamento de doenças como a dengue, chikungunya e zika
por Portal Brasil publicado: 08/01/2016 19h06 última modificação: 11/01/2016 11h29

O Estado do Maranhão lançou o Plano Emergencial de Enfrentamento às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. As ações de combate ao mosquito foram apresentadas, nesta sexta-feira (8), em São Luís, com a presença do ministro da Saúde, Marcelo Castro.

O objetivo é fortalecer a rede de assistência à saúde para o enfrentamento da dengue, chikungunya e zika. Na ocasião, o ministro apresentou o Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes e à Microcefalia.

“A maneira mais eficiente de combater todas as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti é não permitir o mosquito nascer, eliminando os criadouros e evitando deixar qualquer quantidade de água acumular. Só teremos sucesso se houver cooperação entre o governo federal, os governos Estaduais, os governos municipais, mas, sobretudo, o envolvimento da sociedade. Se a sociedade não se envolver, não seremos vitoriosos. As pessoas precisam estar com o radar o tempo todo ligado para não deixar nenhum foco do mosquito”, ressaltou o ministro da Saúde, Marcelo Castro.

O plano Estadual visa a programar ações e metas com a finalidade de interromper em curto prazo a transmissão da dengue, chikungunya e zika por meio do controle vetorial. O esforço do Estado é diminuir a circulação do mosquito Aedes aegypti que, em 2015, registrou 7.505 casos de dengue e nove mortes pela doença. Estão envolvidos no trabalho, os agentes de controle de endemias, agentes de saúde pública, agentes comunitários de saúde, entre outros parceiros.

Já o plano nacional é uma grande mobilização envolvendo 19 ministérios e órgãos do governo federal, em parceria com Estados e municípios, para conter novos casos de microcefalia relacionados ao vírus zika, além de oferecer suporte às gestantes e aos bebês. A iniciativa é resultado da criação do Grupo Estratégico Interministerial de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional e Internacional. O plano é dividido em três eixos de ação: Mobilização e Combate ao Mosquito, Atendimento às Pessoas e Desenvolvimento Tecnológico, Educação e Pesquisa.

De acordo com o último boletim do Ministério da Saúde, o Maranhão registrou 96 casos de microcefalia com suspeita de relação ao vírus zika, além de uma morte. Os casos foram registrados em 47 municípios. Em todo o Brasil, foram notificados 3.174 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 684 municípios de 20 Estados e no Distrito Federal. As informações são referentes até o dia 2 de janeiro.

Repasses crescentes

Os repasses de recursos do Ministério da Saúde para o combate ao mosquito têm se mantido crescentes. Em 2015, foram liberados R$ 1,25 bilhão, o que representa aumento de 28,8% nos últimos quatro anos. As visitas a residências para eliminação e controle do vetor ganharam o reforço das Forças Armadas e de mais de 266 mil agentes comunitários de saúde, além dos 43,9 mil agentes de endemias de todo o Brasil que já atuavam regularmente nessas atividades.

O Ministério da Saúde também investiu, neste ano, R$ 19,6 milhões na aquisição de inseticidas e larvicidas, garantindo o abastecimento até junho. Em dezembro, o ministério já havia enviado 17,9 toneladas de larvicida para os Estados do Nordeste e Sudeste, totalizando 114,4 toneladas para todo o País em 2015, quantidade suficiente para o tratamento de 57,2 bilhões de litros de água.

Ao todo, 18 Estados já contam com salas Estaduais de monitoramento do combate ao Aedes e à microcefalia. Outros quatro Estados estão em fase de implantação. Além das ações de apoio a Estados e municípios, o Ministério da Saúde realiza a aquisição de insumos estratégicos e kits de diagnósticos para auxiliar os gestores locais no combate ao mosquito.

Unidades de saúde

Ainda no Estado, o ministro visita unidades de saúde em Bacabal (MA). Castro conhecerá as obras da primeira Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município. Para a construção, o Ministério da Saúde repassou R$ 3,6 milhões, referentes às duas primeiras parcelas. A última parcela, no valor de R$ 400 mil, será encaminhada após conclusão da obra.

A unidade vai atender uma população de 268 mil pessoas em 11 municípios da região: Altamira do Maranhão, Bom Lugar, Brejo de Areia, Conceição do Lago Açu, Lago Verde, Marajá do Sena, Olho D’água das Cunhãs, Paulo Ramos, São Luis Gonzaga do Maranhão e Vitorino Freire, além de Bacabal.

Durante a agenda no município, o ministro também visitará o Pronto-Socorro municipal e as instalações do Hospital Materno Infantil da região. A unidade, que foi inaugurada recentemente, oferece a população serviços de urgência e emergência, clinica obstétrica, pediátrica e cuidado intensivo.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Governo reafirma compromisso com políticas de saúde no Nordeste
Ministro da Saúde apresentou pontos prioritários para estimular oportunidades de negócios na área da saúde
A importância do leite materno
Você sabe por que o leite materno é tão importante para o desenvolvimento do seu bebê? Conheça os benefícios do aleitamento
Mitos e verdades: alimentação da mãe
O que a mãe come enquanto está amamentando tem influência sobre o bebê? Saiba o que um pediatra tem a dizer sobre isso
Ministro da Saúde apresentou pontos prioritários para estimular oportunidades de negócios na área da saúde
Governo reafirma compromisso com políticas de saúde no Nordeste
Você sabe por que o leite materno é tão importante para o desenvolvimento do seu bebê? Conheça os benefícios do aleitamento
A importância do leite materno
O que a mãe come enquanto está amamentando tem influência sobre o bebê? Saiba o que um pediatra tem a dizer sobre isso
Mitos e verdades: alimentação da mãe

Últimas imagens

O objetivo é integrar o controle das ações, permitindo a correta aplicação dos recursos públicos
O objetivo é integrar o controle das ações, permitindo a correta aplicação dos recursos públicos
Marcelo Casal Jr./Agência Brasil
Segundo resolução da Anvisa, os rótulos deverão informar a existência de dezessete substâncias
Segundo resolução da Anvisa, os rótulos deverão informar a existência de dezessete substâncias
Divulgação/EBC
Confira também dicas de como preceder no caso de suspeita de infarto
Confira também dicas de como preceder no caso de suspeita de infarto

Governo digital